Rússia diz que há 80 suicidas prontos para novos ataques

O chefe do serviço de segurança da Rússia (FSB), Nikolai Patrushev, afirmou nesta sexta-feira que mais de 80 militantes suicidas foram treinados no exterior para realizar atentados no país. Segundo ele, alguns já foram "neutralizados", mas não há garantias contra novos ataques na Rússia. O dirigente russo foi convidado a discursar no Parlamento para explicar as medidas adotadas pelo governo contra o "terrorismo" após a crise de reféns na escola da cidade de Beslan. Sem apresentar novas evidências, Patrushev afirmou que o ataque em Beslan foi financiado a partir do exterior. Nova legislação De acordo com o dirigente, o FSB ajudou a preparar uma nova e mais rígida legislação antiterrorismo. A proposta inclui uma cláusula que permite a prisão de parentes de qualquer pessoa envolvida em um ataque como o ocorrido em Beslan durante o período de duração do seqüestro de reféns. A sessão na Duma (Parlamento russo) antecede uma votação sobre a polêmica proposta do presidente Vladimir Putin que determina o fim das eleições para os cargos de governadores regionais, que passariam a ser escolhidos por indicação do governo.

Agencia Estado,

29 Outubro 2004 | 12h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.