Hamed Jafarnejad/AP
Hamed Jafarnejad/AP

Rússia diz que sanções contra Irã buscam estrangular sua economia

Para o país, a medida não visa impedir a proliferação das armas nucleares

Efe,

18 de janeiro de 2012 | 08h14

MOSCOU - O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou nesta quarta-feira, 18, que as sanções unilaterais contra o Irã buscam estrangular sua economia e gerar descontentamento no país, e não impedir a proliferação das armas nucleares.

Veja também:

linkVeja as sanções já aplicadas contra o Irã

link ESPECIAL: Relembre outros ataques contra o Irã

link ESPECIAL: O programa nuclear do Irã

"As sanções unilaterais adicionais adotadas por países ocidentais e outros estados contra o Irã não estão motivadas pelo interesse de evitar a proliferação das armas nucleares, mas buscam afetar a economia iraniana, influenciar a população para gerar o descontentamento", sustentou Lavrov em entrevista coletiva.

O chefe da diplomacia russa admitiu que, "às vezes, as sanções são inevitáveis", mas neste caso, com relação ao Irã, são estéreis e lembrou que a Rússia nunca foi partidária desse tipo de medidas

Lavrov indicou que cada vez que o Irã manifesta disposição em retomar as negociações sobre seu programa nuclear surge novo fato que impõe obstáculo ao processo.

Como exemplo citou o relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de novembro que, segundo o ministro russo, apresentou antecedentes conhecidos há tempos como se fossem novos para apoiar assim a tese de uma "dimensão militar" do programa nuclear iraniano.

Ao mesmo tempo, o titular das Relações Exteriores russo expressou sua confiança em que a via do diálogo sobre o programa nuclear iraniano não está fechada.

"Estamos convencidos que existem todas as possibilidades para o reatamento das negociações entre o 'sexteto' (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Rússia, China, Estados Unidos, França e o Reino Unido - e Alemanha) e o Irã", disse. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Irã nuclearRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.