Rússia diz que tomará medidas contra escudo antimíssil

O presidente russo, Vladimir Putin, renovou suas críticas ao plano norte-americano de instalar um escudo antimíssil no Leste Europeu, ao afirmar nesta sexta-feira, 27, que a Rússia vai tomar as "medidas apropriadas" para se opor ao sistema. Putin disse ao presidente tcheco, Vaclav Klaus, numa reunião no Kremlin, que o escudo antimíssil seria usado para acompanhar as atividades militares russas. "Esses sistemas vão monitorar o território russo até os Urais se não apresentarmos uma reação", disse Putin a Klaus. "E vamos fazer isso. Qualquer um faria." "Não vamos entrar em histeria. Só vamos tomar as medidas apropriadas", disse ele, sem entrar em detalhes. A Rússia encara o plano dos EUA de instalar dez interceptadores de mísseis na Polônia e um radar na República Tcheca a partir e 2012 uma importante ameaça a sua segurança nacional. Os Estados Unidos alegam que o sistema é necessário para defender a Europa e as forças dos EUA alocadas lá contra países como Irã e Coréia do Norte. Mas políticos russos reclamam que o plano pode interferir na estabilidade européia e alimentar uma corrida armamentista ao estilo da Guerra Fria. Na entrevista coletiva conjunta com Klaus, Putin comparou o plano do escudo com a instalação dos mísseis norte-americanos Pershing-2 na Europa Ocidental no início dos anos 1980, caso que deflagrou uma grande crise diplomática. Num sinal de que as tensões estão aumentando, Putin anunciou num discurso na quinta-feira que a Rússia está congelando seus compromissos sob o tratado das Forças Convencionais na Europa, que foi assinado no fim da Guerra Fria para manter o equilíbrio estratégico regional. "Pela primeira vez os elementos do sistema nuclear estratégico dos EUA estão aparecendo no continente europeu," disse Putin na sexta-feira. "Esse elemento muda de forma drástica a situação da segurança na Europa." "Não achamos... que o que está acontecendo na Europa exija atitudes tão agressivas," disse Putin. "Não vemos argumentos para a instalação do escudo antimíssil na Europa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.