Rússia e China defendem um "mundo multipolar"

O presidente chinês, Hu Jintao, e seu colega russo, Vladimir Putin, voltaram a defender um "mundo multipolar", e pressionaram por uma solução pacífica para o impasse nuclear na Coréia do Norte e por um papel central da ONU na reconstrução do Iraque. Putin e Hu exortaram Pyongyang a desistir de sua pretensão de possuir armas nucleares. "As partes defendem uma Península Coreana livre de armas nucleares e que respeite o regime de não-proliferação de armas de destruição em massa", disseram num comunicado conjunto.Os dois líderes também apoiaram a exigência de Pyongyang de garantias de segurança e sublinharam a necessidade de se criar "condições favoráveis para o desenvolvimento sócio-econômico" do Norte. "Qualquer cenário de forte pressão ou de uso da força para se solucionar problemas existentes é inaceitável", acrescentaram.Numa aparente tentativa de defender os interesses de seus países no Iraque, Hu e Putin declararam que "os direitos legítimos, interesses e preocupações de nações vizinhas e de outras partes interessadas têm de ser levados em consideração durante as soluções pós-guerra e a reconstrução do Iraque".Putin e Hu voltaram a defender um "mundo multipolar" - expressão usada pelas duas nações para descrever suas ambições de conter a dominação global dos EUA. "A Rússia e a China defendem uma ordem mundial multipolar, justa e democrática com base nos princípios internacionalmente reconhecidos da lei internacional", reafirmaram, sem citar os EUA.Hu escolheu a Rússia para realizar sua primeira viagem ao exterior desde que substituiu Jiang Zemin como presidente da China.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.