REUTERS/Mike Segar
REUTERS/Mike Segar

Rússia e EUA trocam acusações na ONU de sobre corrida armamentista

Após o teste de lançamento de um míssil de médio alcance no último domingo, a Rússia afirma que "os Estados Unidos estão prontos para uma corrida armamentista"

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2019 | 01h50

NOVA YORK, EUA - Rússia e Estados Unidos trocaram acusações nesta quinta-feira, 22, na Organização das Nações Unidas (ONU) de contribuir para uma nova corrida armamentista com seus testes de mísseis. 

Após o teste de lançamento de um míssil de médio alcance no último domingo, 18, "os Estados Unidos estão prontos para uma corrida armamentista", denunciou o embaixador-adjunto russo na ONU, Dmitri Polyanskiy, durante uma reunião do Conselho de Segurança convocada por Moscou

De acordo com o representante, a Rússia está disposta a manter "um diálogo sério" para controlar os armamentos e não entende "a postura adotada pelos europeus, (que) toleram as ações americanas". 

"Rússia e China querem um mundo em que os Estados Unidos atuem com moderação enquanto continuam a acumular armas", respondeu o embaixador americano Jonathan Cohen.

"Os testes americanos para desenvolver uma capacidade convencional terrestre não são nem provocadores nem desestabilizadores", e Washington não "vai ficar de braços cruzados" enquanto Pequim e Moscou seguem desenvolvendo novos armamentos, insistiu Cohen. 

"O que exatamente aconteceu no dia 8 de agosto?", perguntou o diplomata americano, ao se referir à misteriosa explosão com caráter nuclear que ocorreu nesse dia na Rússia. 

Os Estados Unidos "seguem disponíveis para um controle de armamento eficaz e comprovado", que inclua a "Rússia e China", disse Cohen. 

O embaixador chinês na ONU, Zhang Jun, destacou que as armas de seu país são "defensivas" e não representam "uma ameaça para ninguém". "Somos contrários às corridas armamentistas e desejamos garantir un equilíbrio estratégico", destacou. AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.