Rússia e ex-líderes mundiais dão último adeus a Yeltsin

A Rússia se despediu nesta quarta-feira, 25, do ex-presidente Boris Yeltsin, morto na última segunda-feira por insuficiência cardíaca. A cerimônia contou até com a participação de um de seus maiores desafetos, o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev.Naina, a viúva de Yeltsin, e suas duas filhas, Tatyana e Yelena, estavam sentadas ao lado do caixão aberto, e eram cumprimentadas por políticos russos e autoridades estrangeiras que passavam pelo local. O corpo de Yeltsin foi enterrado em seguida, em uma cerimônia que contou com a presença de vários líderes de outros países. Yeltsin deixou Gorbachev sem cargo quando desmantelou a União Soviética, marcando anos de inimizade. Mas Gorbachev, de terno preto, beijou Naina e disse palavras de condolências ao apertar a mão de Yelena. Gorbachev, que promoveu Yeltsin de sua base nos montes Urais para uma alto posto em Moscou, fez a homenagem, mas disse também que o rival cometeu muitos erros. "Um destino trágico", afirmou. Na catedral do Cristo Salvador - explodida por Josef Stalin e reconstruída no governo de Yeltsin como símbolo da renovação nacional - um coro cantava salvos e soldados do regimento do Kremlin guardavam o caixão. Antes de as portas serem fechadas para o funeral oficial, a pessoas que estavam no local para se despedir fizeram fila para colocar flores no caixão. Yeltsin morreu de parada cardíaca na segunda-feira, aos 76 anos. EnterroYeltsin não será enterrado ao lado de ex-líderes do Kremlin na Praça Vermelha, mas sim no cemitério Novodevichye, junto com atores, escritores e artistas. Os ex-presidentes dos Estados Unidos Bill Clinton e George H. Bush, pai do atual mandatário americano, participaram do funeral. Clinton teve uma boa relação pessoal com Yeltsin nos anos 1990.O presidente russo, Vladimir Putin, também passou pela catedral para o funeral. O bilionário Roman Abramovich, dono do time de futebol inglês Chelsea, foi outra personalidade presente.Figura controversaMuitos russos culpam Yeltsin por ter acabado com o status de superpotência do país, pela guerra desastrosa na Chechênia, pelas reformas que pulverizaram as reservas dos cidadãos e por favorecimento a alguns poucos empresários.Nos seus últimos anos no cargo, problemas cardíacos e os relatos de que ele consumia muito álcool tornaram Yeltsin uma figura distante, e com tendência a cometer gafes. Antes, entretanto, ele foi considerado herói no mundo inteiro ao assumir o governo e em 1991, quando subiu em um tanque para dirigir a multidão contra líderes golpistas que queriam acabar com as reformas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.