Rússia e Geórgia suspendem negociações até novembro

Presença de interlocutores da Ossétia do Sul e Abkházia causa impasse em reunião para conflito no Cáucaso

Reuters,

15 de outubro de 2008 | 14h14

As negociações entre Rússia e Geórgia sobre as duas províncias separatistas georgianas foram suspendidas logo após começarem nesta quarta-feira, 15, com os dois países trocando acusações sobre a crise no Cáucaso. O enviado especial da União Européia (UE) para a Geórgia disse que as conversas sofreram o impasse por "dificuldades de procedimento". O compromisso de permitir a participação de representantes da Ossétia do Sul e Abkházia se mostrou impossível de ser cumprido e causou o impasse, disseram participantes russos e georgianos.   Veja também: Rússia cumpriu parcialmente retirada na Geórgia, diz França   A participação de delegados das duas regiões foi uma condição apresentada por Moscou, mas a Geórgia não os reconhece como interlocutores. "Todas as partes mostraram seus pontos de vista. Hoje, tivemos dificuldades de procedimento. Essa foi a razão pela qual decidimos suspender as discussões nesta tarde", declarou o enviado da ONU Pierre Morel, acrescentando que novas negociações foram marcadas provisoriamente para 18 de novembro.   A reunião foi marcada pela UE, ONU e Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) para ajudar a resolver o conflito, que começou em agosto, quando Rússia e Geórgia se enfrentaram em uma disputa pelas duas províncias georgianas, que Moscou apóia e reconhece como Estados independentes. Inicialmente, a previsão era que as conversas durassem duas semanas.   Em Bruxelas, o presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, acusou a Rússia pelo fracasso da iniciativa. "A Rússia saiu de repente da conversa em Geneva, o que basicamente significa que eles não têm interesse em nenhum processo diplomático", afirmou.   Por sua vez, o líder da delegação russa, o vice-ministro do Exterior Grigory Karasin, disse que a reunião iniciou um processo para resolver o conflito com a participação da Ossétia do Sul e Abkházia. "O encontro foi rompido pela Geórgia, que se recusou a participar da sessão plenária", declarou.   Uma delegação dos Estados Unidos, aliado da Geórgia, também estava presente nas negociações. Mais cedo, a Corte Internacional de Justiça da ONU (ICJ) ordenou que a Rússia e a Geórgia garantam a segurança de todos os grupos étnicos presentes nas regiões separatistas e nas áreas adjacentes.   O órgão mandou ainda que os dois lados façam tudo o que for possível para garantir a segurança de moradores da região, a liberdade de movimento e a integridade dos bens dos refugiados.   Na ação iniciada na ICJ, o governo georgiano acusou a Rússia de violar a convenção antidiscriminação e pediu que a corte mandasse os russos adotarem ações imediatas para corrigir isso. A Rússia contesta a competência da corte no caso, nega as acusações e pediu que os juízes anulem o processo.  

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaRússianegociações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.