Rússia e Indonésia assinam acordo militar de US$ 1 bilhão

Governos alertam EUA que discordam de postura política adotada por Washington em questões internacionais

Agência Estado e Associated Press,

06 de setembro de 2007 | 10h47

A Rússia assinou nesta quinta-feira, 6, um pacto de defesa de US$ 1 bilhão com a Indonésia por meio do qual a maior nação muçulmana do mundo receberá dezenas de novos helicópteros, tanques e submarinos. O contrato é visto como parte dos esforços de Moscou de aumentar sua influência militar na Ásia. Os dois países também assinaram diversos pactos energéticos lucrativos e enviaram uma mensagem aos Estados Unidos: Moscou e Jacarta opõem-se a Washington em uma série de importantes questões internacionais, desde a guerra no Iraque à crise no Oriente Médio e à controvérsia em torno do programa nuclear do Irã. Numa escala de um dia em Jacarta, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, concedeu ao governo indonésio um empréstimo equivalente a US$ 1 bilhão em equipamentos militares que poderá ser pago ao longo dos próximos 15 anos. O ministro indonésio da Defesa, Juwono Sudarsono, disse estar contente porque o acordo reduzirá a dependência militar indonésia em relação aos Estados Unidos. O acordo inclui 20 tanques, 15 helicópteros e dois submarinos. A Indonésia estava em busca de outros fornecedores de armas desde 1999, quando os EUA declararam um embargo militar ao país asiático depois de uma campanha de repressão militar no Timor Leste ter provocado a morte de mais de mil pessoas. O embargo foi suspenso em 2005, mas Jacarta tem buscado diversificar seus fornecedores. A escala de Putin na Indonésia é a primeira visita oficial de um líder russo ou soviético de 1960, quando Nikita Kruchev esteve em Jacarta. Ao todo, os acordo econômicos assinados entre Moscou e Jacarta somam US$ 4 bilhões e devem ajudar a Indonésia a se reerguer. O país enfrenta graves problemas financeiros desde a crise asiática de 1997.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaIndonésiaacordoExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.