Rússia e Irã terminam rodada de negociações sem acordo

Terminaram nesta terça-feira em Moscou, em ambiente de sigilo total e sem resultado visível algum, as negociações do secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Igor Ivanov, com o subsecretário do Conselho Supremo de Segurança iraniano, general Ali Hosseini Tash. As negociações, cuja realização só foi divulgada quando já haviam terminado, começaram na segunda-feira a portas fechadas e chegaram a apenas uma conclusão: a "necessidade de continuar as consultas". A nova rodada de negociações aconteceu por iniciativa do Irã, depois que o porta-voz do ministério de Relações Exteriores, Hamid-Reza Asef, declarou que a oferta russa de criar uma empresa mista de enriquecimento de urânio em território russo para as centrais iranianas estava "fora da ordem do dia da República Islâmica". "A Rússia reiterou que o problema nuclear iraniano deve ser resolvido pela via diplomática", diz o breve comunicado do Conselho de Segurança sobre o encerramento das negociações divulgado pelas agências russas. O documento acrescenta que as negociações continuarão. Os iranianos informaram, por sua vez, que "na situação atual, a saída passa por negociações francas e baseadas nas normas internacionais". "Estamos abertos a qualquer proposta construtiva", disse uma alta fonte da delegação iraniana à agência oficial russa Itar-Tass. Fontes iranianas na capital russa disseram que esta rodada de negociações se concentrou em questões relacionadas ao envio do dossiê nuclear iraniano para o Conselho de Segurança da ONU e inicialmente estava convocada para quarta e quinta-feira. A solução, segundo Moscou, passa por sua oferta de enriquecer urânio para as centrais elétricas iranianas em território russo e sob controle da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Esta proposta, respaldada pela comunidade internacional, foi feita, segundo Lavrov, "no contexto dos esforços multilaterais para achar uma solução, e só tem razão de ser no contexto de um acordo geral, que inclua o retorno do Irã à moratória sobre os trabalhos de enriquecimento de urânio". Mas Teerã rejeita a condição prévia de Moscou, que exige o retorno do Irã ao regime de moratória sobre todas as atividades de enriquecimento de urânio em território próprio, incluídas as pesquisas.

Agencia Estado,

14 Março 2006 | 18h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.