Rússia e Israel discutem programa nuclear iraniano

O presidente da Rússia Vladimir Putin recebe hoje em Moscou o primeiro ministro de Israel Benjamin Netanyahu. As conversas devem girar em torno do programa nuclear iraniano e da guerra civil na Síria. A reunião deve começar por volta das 12h no horário de brasília e deve haver a divulgação de posicionamentos dos líderes depois do encontro.

DAYANNE SOUSA, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS E DOW JONES NEWSWIRES, Agência Estado

20 de novembro de 2013 | 11h10

Putin e Netanyahu poderão tratar do andamento das negociações entre representantes das potências mundiais e do Irã sobre o programa nuclear no país do Oriente Médio. Negociadores do grupo de países do chamado P5+1 se reúnem em Genebra para procurar um acordo e driblar as atividades nucleares iranianas. Fazem parte da rodada de conversas Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia, além da Alemanha. É a terceira reunião em menos de um mês.

Israel já havia expressado sua preocupação com os debates em Genebra. Em vez de determinar o encerramento do enriquecimento de urânio, conforme resoluções do Conselho de Segurança da ONU vinham demandando, os negociadores parecem estar caminhando para um acordo mais compreensivo, que garantiria a continuidade do programa para propósitos civis. Junto com outros passos, essa seria uma primeira fase enquanto um acordo de longo prazo é costurado entre o Irã e o P5+1.

Líderes iranianos deixaram claro que o país não vai considerar abrir mão do enriquecimento de urânio. O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse nesta quarta-feira que ele não irá permitir nenhum recuo nos "direitos nucleares" do Irã. "Eu insisto em estabelecer os direitos da nação iraniana, incluindo os direitos nucleares", disse a militares em Teerã, num raro discurso televisionado. "Não estou interferindo nos detalhes das negociações, mas há linhas e limites que devem ser respeitados", acrescentou Khamenei.

Mais conteúdo sobre:
IrãnuclearPutinNetanyahu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.