Rússia é o único país a defender a ajuda financeira ao Hamas

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta terça-feira que o movimento islâmico Hamas deve renunciar à retórica radical, reconhecer o direito à existência de Israel e cooperar com a comunidade internacional.Putin afirmou que a Rússia é contra o fim das ajudas internacionais ao povo palestino, e defendeu esforços conjuntos para promover o processo de paz no Oriente Médio."O Ministério de Exteriores da Rússia nunca considerou o Hamas como organização terrorista, mas isso não significa que Moscou dê todo seu apoio", disse.O presidente russo reiterou a proposta de criar em seu território usinas de enriquecimento de urânio, para que outros países possam ter acesso à energia atômica sem que isso represente uma ameaça de proliferação de armas nucleares.Moscou adiantou uma iniciativa nesse sentido para que o Irã, cujo dossiê nuclear será levado ao Conselho de Segurança da ONU, retorne à moratória sobre suas atividades de enriquecimento de urânio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.