Rússia e Ucrânia trocam acusações sobre ataques

A escalada na retórica é acompanhada por conflitos separatistas no leste ucraniano

AE, Agência Estado

15 Julho 2014 | 22h36

Moscou, 15/07/2014 - A Rússia e a Ucrânia trocaram acusações nesta terça-feira sobre ataques entre as fronteiras. A escalada na retórica é acompanhada por conflitos separatistas no leste ucraniano.

O Ministério da Defesa da Rússia trouxe 11 adidos militares estrangeiros, incluindo um dos EUA, a um bairro no lado russo da fronteira onde Moscou acusa as forças de Kiev de bombardearem com projéteis de artilharia imóveis residenciais, em um ataque que matou um cidadão russo e feriu outros dois.

O vice-ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Antonov, disse ter convidado os especialistas militares internacionais para mostrar como o governo ucraniano está obscurecendo a verdade sobre o crescente número de ataques de artilharia que atingem cidades russas na fronteira. Após a morte do cidadão russo, Moscou alertou Kiev de "consequências irreversíveis".

O governo ucraniano nega que as forças tenham disparado contra a cidade russa. Em vez disso, Kiev focou a atenção na derrubada de um avião miliar de carga com oito pessoas a bordo sobre os céus na região ucraniana de Luhansk. Todos os tripulantes saltaram de paraquedas, sendo que alguns se tornaram reféns dos rebeldes.

O escritório do presidente Petro Poroshenko afirmou que o avião voava a uma altitude de 21.000 pés, portanto não poderia ter sido derrubado pelos mísseis utilizados pelos rebeldes. O avião "foi atingido por outro míssil, mais poderoso, que provavelmente foi lançado do território da Federação Russa", disse o escritório do presidente ucraniano.

O chefe do serviço de segurança ucraniano, Valentyn Nalyvaichenko, disse nesta terça-feira que a Ucrânia compilou "evidências incontestáveis" da participação russa no ataque e que em breve irá divulgar os detalhes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Rússia ucrânia acusações

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.