Rússia endurece oposição a sanções contra o Irã

A Rússia endureceu nesta sexta-feira sua oposição à adoção de sanções contra o Irã, assinalando que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) só deve estudar tais medidas se tiver uma prova de que a república islâmica está tentando produzir armas atômicas. O conselho aguarda para o dia 28 um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) sobre o programa nuclear iraniano. Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha definiram essa data como prazo para que o país pare de enriquecer urânio. Mas o porta-voz da chancelaria russa, Mikhail Kamynin, disse que o não cumprimento dessa exigência não é suficiente para acarretar sanções. "Só poderemos falar de sanções após termos fatos concretos confirmando que o Irã não está envolvido exclusivamente em atividades nucleares pacíficas". No dia 2, os cinco membros do Conselho de Segurança com poder de vetar resoluções (EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia e China) se reunirão em Paris em nova tentativa de definir uma estratégia comum quanto à crise. Tentando intensificar a pressão contra o Irã, os EUA pediram nesta sexta-feira que a Rússia cancele a venda de sistemas de mísseis ao país e a cooperação na construção de uma usina nuclear iraniana.

Agencia Estado,

21 Abril 2006 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.