Alexander Zemlianichenko / AFP
Alexander Zemlianichenko / AFP

Rússia entregará sistemas de antimísseis aéreos para a Síria

Decisão ocorre uma semana após o exército sírio derrubar, por engano, uma aeronave militar russa; Moscou culpa Israel, e Kremlin diz que acidente vai prejudicar as relações com israelenses

O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2018 | 08h47

MOSCOU - A Rússia entregará, em duas semanas, sistemas modernos de defesa antiaérea S-300 ao exército sírio, informou o ministro da Defesa nesta segunda-feira, 24. Há uma semana, a Síria abateu uma aeronave militar russa por engano após um ataque da aviação israelense.

"A força aérea síria receberá em duas semanas sistemas modernos S-30. São capazes de interceptar aparelhos a uma distância de mais de 250 quilômetros e podem atacar ao mesmo tempo vários alvos no ar", disse o ministro Serguéi Shoigú, e explicou que até agora não haviam entregue esses sistemas por reservas de Israel.

Shoigú informou ainda que a Rússia bloqueará as comunicações de qualquer avião que queira atacar a Síria pelo Mar Mediterrâneo. "A navegação por satélite, os radares de bordo e os sistemas de comunicação da aviação militar que atacarem alvos no território sírio serão bloqueados nas zonas adjacentes à Síria no Mar Mediterrâneo", afirmou.

O Kremlin disse que a queda do avião russo vai prejudicar as relações entre Rússia e Israel. "A destruição de nosso avião causou a morte de 15 dos nossos soldados. Segundo informações de nossos especialistas militares, esses atos foram premeditados por pilotos israelenses, algo que pode senão prejudicar nossas relações" com Israel, declarou Dmitri Peskov a jornalistas.

Na segunda-feira 17, a defesa antiaérea síria derrubou por engano um avião Il-20 sobre o Mediterrâneo, com 15 militares a bordo. No mesmo momento, mísseis israelenses apontavam contra depósitos de munições na província síria de Latakia. Na ocasião, duas pessoas morreram e dez ficaram feridas, incluindo sete soldados sírios, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Moscou acusa Israel de ser responsável pela queda do avião, afirmando que as forças israelenses usaram a aeronave como "escudo" contra os mísseis sírios. Israel, porém, nega. Peskov qualificou o acidente como uma "cadeia trágica de coincidências", mas acusou novamente os pilotos israelenses.

O envio dos sistemas de antimísseis aéreos, segundo Peskov, se dá pela "necessidade de garantir a segurança dos soldados russos", que intervêm na Síria em apoio ao regime de Bashar Assad desde 2015. "Essas decisões não são contra nenhum país terceiro, mas pela defesa de nossos soldados", justificou o porta-voz do Kremlin. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.