Rússia envia navio com armas e tropas à Síria

Embarcação com infantaria e equipamentos pesados chegará ao porto de Tartus amanhã; rebeldes acusam o governo de novo massacre de civis

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2012 | 02h02

O navio de desembarque russo Novocherkask partiu ontem em direção à costa da Síria levando armamento pesado e um destacamento de infantaria. A informação foi dada à agência de notícias russa Interfax por um porta-voz do Estado Maior das Forças Armadas da Rússia. A embarcação deve chegar amanhã ao porto de Tartus, onde os russos mantêm uma base militar.

A embarcação deve se juntar a outras cinco que já foram enviadas pelo Kremlin à Síria. Os navios, de acordo com informações oficiais, seriam para dar apoio em uma possível retirada de cidadãos russos com o agravamento da guerra civil síria.

Há cerca de duas semanas, uma outra frota russa, também composta de cinco navios de guerra, deixou o Mar Báltico a caminho do porto de Tartus. Outras embarcações militares estão prontas para zarpar do Mar do Norte, caso o Kremlin decida iniciar a operação de resgate na Síria.

Aliada do regime de Bashar Assad, a Rússia ainda tenta uma saída negociada para a crise que já se arrasta por quase dois anos. Os rebeldes sírios recusaram, na sexta-feira, uma oferta de diálogo feita por Moscou.

No sábado, o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, admitiu que "não há possibilidade" de persuadir Assad a deixar o poder em Damasco.

O representante especial da ONU e da Liga Árabe para a questão da Síria, Lakhdar Brahimi, afirmou ontem que a situação se deteriora a cada dia, mas que ainda vê espaço para uma solução diplomática em 2013. "O problema é que os dois lados não estão se falando", afirmou.

Brahimi alertou para o risco de que o conflito leve a Síria a uma situação semelhante à da Somália. "Há pessoas falando sobre a divisão da Síria em vários pequenos Estados. Isso não ocorrerá. O que acontecerá é uma 'somalização' com o surgimento de senhores da guerra."

Mortes. O número total de mortos no conflito na Síria já chega a quase 50 mil, de acordo com as estimativas do Observatório Sírio de Direitos Humanos, entidade de oposição com sede em Londres.

Ontem, a organização afirmou que cerca de 400 pessoas foram mortas no sábado, o que tornaria o dia um dos mais violentos desde o início da guerra.

A maior parte das mortes teria ocorrido em uma universidade de Deir Balbah, nas proximidades de Homs. De acordo com os insurgentes, tropas do governo cercaram a cidade para retomá-la e invadiram o local.

"Se já temos 50 mil mortos em quase dois anos e a guerra continuar por mais um ano, não teremos mais 25 mil. Teremos mais 100 mil mortos", disse ontem Brahimi durante entrevista coletiva no Cairo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.