Rússia estuda sanções contra setor espacial dos EUA

A Rússia anunciou que planeja banir a venda para os EUA de motores para foguetes espaciais, utilizados pela maioria dos satélites militares norte-americanos e de inteligência. O vice-primeiro-ministro Dmitry Rogozin disse que Moscou continuará fornecendo os motores para os EUA apenas se Washington apresentar provas de que o material será usado somente com objetivos não-militares.

AE, Agência Estado

14 Maio 2014 | 00h06

No mês passado, um juiz norte-americano barrou o Pentágono e a United Launch Alliance, uma joint venture entre a Boeing e a Lockheed Martin, de negociar com a russa NPO Energomash. A liminar foi suspensa na semana passada, quando funcionários do governo norte-americano disseram que ainda não designaram a empresa russa como uma entidade controlada por Rogozin.

O vice-primeiro-ministro russo também disse que irá desligar partes do sistema norte-americano de monitoramento de satélites por GPS baseado na Rússia e que o país não tem intenção de utilizar a Estação Espacial Internacional para além de 2020, pelo menos quatro anos antes do que a Casa Branca propôs aos russos.

Rogozin disse que a Rússia provavelmente redirecionará os recursos para outros projetos espaciais. Embora ele não tenha especificado os projetos, revelou que a agência espacial nacional irá apresentar um plano nos próximos meses.

O anúncio ocorre na esteira de uma série de sanções por nações do Ocidente, algumas delas direcionadas a Rogozin, que é o responsável pelo setor de defesa e espaço da Rússia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Rússia eua sanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.