Rússia expulsa representante militar israelense por 'espionagem'

Coronel da Força Aérea voltou a Israel após ser questionado pelas autoridades de Moscou

Agência Estado

18 de maio de 2011 | 17h56

JERUSALÉM - A Rússia expulsou o adido militar de Israel da embaixada em Moscou sob a acusação de espionagem, informaram funcionários da Defesa israelense nesta quarta-feira, 18, afirmando que as acusações são infundadas. A Defesa russa também confirmou o caso.

"O representante militar do ministério de Defesa de Israel na Rússia, um coronel das Forças de Defesa de Israel, foi detido para ser investigado na semana passada pelas autoridades russas devido a suspeitas de espionagem", afirmou um comunicado das autoridades russas.

 

Os funcionários israelenses disseram que o coronel da Força Aérea Vadim Leiderman retornou a Israel alguns dias atrás após ser questionado por autoridades russas sobre suspeitas de espionagem e recebeu ordens para deixar o país imediatamente.

 

Segundo a televisão estatal de Israel, Liederman foi liberado sem acusações devido à sua imunidade diplomática. Ainda de acordo com a emissora, as autoridades suspeitavam que o israelense teria sob sua autoridade vários residentes no território russo.

 

"Ele foi convocado para um interrogatório em Moscou há dez dias, e ele respondeu a algumas perguntas da polícia. Por conta de sua imunidade diplomática, não puderam fazer mais nada, mas pediram que ele deixasse o país imediatamente, o que Liederman fez", continuou o canal. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.