Yuri KADOBNOV / AFP
Yuri KADOBNOV / AFP

Rússia inicia período ‘sem trabalho’ para travar surto de covid após novo recorde de mortes e casos

De acordo com os números divulgados pelo governo, 1.159 pessoas morreram e 40.096 foram infectadas com o coronavírus nas últimas 24 horas

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2021 | 08h30

A Rússia registrou nesta quinta-feira, 28, novos recordes de mortes e contágios por covid-19 em um só dia, no momento em que o país enfrenta uma violenta onda da pandemia, o que obrigou a capital Moscou a fechar os serviços não essenciais.

De acordo com os números divulgados pelo governo, 1.159 pessoas morreram e 40.096 foram infectadas com o coronavírus nas últimas 24 horas.

Apenas cerca de 49 milhões de russos — cerca de um terço dos quase 146 milhões de pessoas do país — estão totalmente vacinados.

A Rússia foi o primeiro país do mundo a autorizar uma vacina contra o coronavírus, em agosto de 2020. Mas a campanha de vacinação caiu no meio de um ceticismo público generalizado, causado por sinais conflituosos dados pelas autoridades.

Mesmo diante desta situação, o Kremlin negou nesta quinta uma reportagem que afirmava que o governo estava trabalhando para relançar a problemática campanha de publicidade em torno da vacinação e informação sobre a covid-19.

O jornal diário Kommersant, citando duas fontes anônimas próximas da administração presidencial, noticiou que o relançamento da campanha estava em curso. A nova campanha prestaria mais atenção às mais de 80 regiões da Rússia e daria um tom menos agressivo e negativo do que a anterior, diz a matéria.

A campanha existente salientou frequentemente o risco de morte para os russos que se recusam a ser vacinados em vez de associar a vacinação à liberdade de estar isento de restrições ao estilo de bloqueio, afirmou a reportagem.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que não havia planos para relançar a campanha, que, segundo ele, é constantemente ajustada.

Peskov disse que o ritmo da vacinação tinha melhorado no país e que não havia planos para tornar a imunização obrigatória a nível nacional.

Numa tentativa de conter a propagação do vírus, o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou um período sem trabalho entre 30 de outubro a 7 de novembro em todo o país, quando a maioria das organizações estatais e empresas privadas devem suspender as operações. 

Ele encorajou as regiões mais afetadas a iniciar mais cedo o período de recesso, e algumas introduziram a medida já no início desta semana.

O acesso a museus, teatros, salas de concertos e outros locais está limitado a pessoas que possuem passes sanitários para provar que foram vacinados ou estão recuperadas da covid, uma prática que permanecerá em vigor depois de 7 de novembro.

Putin também deu instruções sobre o fechamento de discotecas e outros locais de entretenimento, e ordenou a permanência em casa de pessoas não vacinadas com mais de 60 anos.

O governo espera que o período sem trabalho ajude a conter a propagação por manter a maioria das pessoas fora dos escritórios e dos transportes públicos.

No entanto, muitos russos rapidamente buscaram tirar proveito do período sem trabalho para curtir férias à beira-mar antes do início do inverno. Além disso, vendas de pacotes turísticos para o Egito e a Turquia também saltaram.

Moscou “fechada” até 7 de novembro

Nesta quinta-feira entraram em vigor em Moscou uma série de restrições sanitárias para conter o surto de covid-19, que está acelerado no país devido à baixa taxa de russos vacinados. 

Restaurantes, salões de beleza, lojas de roupa ou móveis, academias, escolas de dança e outros serviços considerados "não essenciais" permanecerão fechados até 7 de novembro. 

De acordo com o prefeito de Moscou — cidade mais afetada pela pandemia no país —,  Sergei Sobyanin, estão autorizados apenas o funcionamento de locais de venda de medicamentos, alimentos e artigos de primeira necessidade.

Há várias semanas, a Rússia vem renovando os recordes diários de mortes e infecções por covid-19.  

O número total de mortes supera 235.000, de acordo com os dados do governo, o que faz da Rússia o país mais afetado pela doença na Europa.

A agência nacional de estatísticas, que tem uma definição mais ampla das mortes por covid-19, anunciou no fim de agosto um balanço de mais 400.000 mortes por coronavírus.

A campanha de vacinação continua em ritmo lento devido à desconfiança dos russos. Apenas um terço deles estão totalmente imunizados, de acordo com o site especializado Gogov, apesar de o país ter desenvolvido quatro vacinas. / AP, AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.