Rússia: Investigadores apontam erro de pilotos

Os pilotos do Boeing 737 que caiu no domingo na Rússia, provocando a morte das 50 pessoas a bordo, cometeram um erro que fez com que o avião perdesse velocidade em baixa altitude, apontaram hoje os investigadores da tragédia aérea. Tal erro, segundo eles, fez com que o avião mergulhasse de bico em direção à pista do aeroporto de Kazan, 720 quilômetros a leste de Moscou, explodindo em uma bola de fogo.

AE, Agência Estado

19 de novembro de 2013 | 12h21

A tragédia ocorreu em meio a fortes ventos e a uma tempestade de raios. Pouco antes, numa primeira tentativa de pouso, os pilotos foram obrigados a arremeter por não terem conseguido uma aproximação adequada da cabeceira da pista. Segundo um relatório preliminar da Comissão Interestadual de Aviação Civil, as turbinas e outros sistemas da aeronave funcionavam perfeitamente até o momento da queda.

O relatório indica que, quando arremeteram, os pilotos acionaram a potência máxima das turbinas e inclinaram o nariz da aeronave em um ângulo acentuado para cima, o que teria causado perda de velocidade. Ao notarem o problema, os pilotos teriam então tentado ganhar velocidade inclinando o nariz da aeronave em direção ao solo, mas como a altitude era baixa não houve tempo para concluir a manobra, concluíram os investigadores. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaaviãoquedaKazan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.