Rússia manda enviado para Ucrânia

Um porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que o Kremlin descolou um enviado ao sudeste da Ucrânia para negociar a liberação de observadores militares estrangeiros da Organização para a Segurança e Cooperação (OSCE) que foram capturados pela milícia pró-Rússia na cidade de Slovyansk.

AE, Agência Estado

02 Maio 2014 | 09h01

Em comentários reproduzidos por agências de notícias da Rússia, Dmitry Peskov não especificou para onde o enviado Vladimir Lukin foi mandado, mas disse que o Kremlin não foi capaz de entrar em contato com Lukin desde que a Ucrânia lançou uma operação contra as forças pró-russas na leste do país. Segundo relatos, pelo menos três pessoas foram mortas e duas ficaram feridas em meio à ação ucraniana.

Na Europa, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, disse que as negociações sobre a libertação da equipe "está em uma fase muito delicada". O ministro fez os comentários antes de um encontro com Catherine Ashton, chefe de política externa da União Europeia.

Steinmeier disse que a reunião com Ashton se concentrará em encontrar um caminho para a retomada de um acordo para diminuição de tensões alcançado entre a Ucrânia, Rússia, EUA e União Europeia em meados de abril em Genebra.

Além disso, o ministro disse que os acontecimentos na Ucrânia - que ele descreveu como "a pior crise" que a Europa teve em muitos anos - vai dominar as conversas entre a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente dos EUA, Barack Obama, mais tarde nesta sexta-feira.

Um porta-voz do governo alemão disse em uma coletiva de imprensa regular nesta sexta-feira que houve contato com os observadores e com a OSCE no início do dia, embora ele não tenha fornecido mais detalhes. Com informações da Dow Jones e da Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Rússia Ucrânia Osce

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.