Rússia manterá mísseis nucleares por mais uma década

A Rússia manterá seus mísseis nucleares intercontinentais mais poderosos, produzidos na era soviética, em serviço por mais uma década, no mínimo, disse o general Nikolai Solovtsov, chefe da Força de Mísseis Estratégicos. Os mísseis R-36 - conhecidos no Ocidente como SS-18 Satan - ?servirão à Rússia por mais 10 ou 15 anos?, segundo as agências noticiosas russas.Solovtsov havia dito, anteriormente, que a Rússia manteria seu arsenal de cerca de 150 SS-18s até 2016 ou 2020, a despeito do fato de as armas já terem superado o tempo útil de vida previsto. Segundo os planos originais, esses mísseis deveriam ser desarmados antes de 2010.O míssil, capaz de liberar 10 ogivas nucleares guiadas individualmente contra alvos a até 11.000 km, é a mais potente arma do arsenal russo. O SS-18 e outro míssil de múltiplas ogivas, o SS-19, formavam o núcleo das forças estratégicas soviéticas. A Rússia deveria ter desmontado ambas as famílias de mísseis, de acordo com os termos do tratado START-II, de 1993. Mas esse tratado nunca entrou em vigor, e um acordo posterior deu aos países o direito de escolher quais armas preservar, desde que o número total de ogivas atômicas caia em dois terços até 2012.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.