Rússia não tem pressa em retaliar sanções do Ocidente

A Rússia não vai se apressar para retaliar as sanções impostas a Moscou em função da crise na Ucrânia, afirmou hoje o Ministério de Relações Exteriores.

Agência Estado

29 de abril de 2014 | 09h21

O ministério descreveu as novas sanções anunciadas pelo Ocidente como uma tentativa de restaurar a "cortina de ferro" da década de 1940 e afirmou que a União Europeia não compreende a situação política interna da Ucrânia.

Entre ontem e hoje, os EUA e a UE ampliaram suas listas de sanções contra autoridades e empresas russas, com o objetivo de punir Moscou por seu suposto envolvimento em manifestações pró-Rússia no leste da Ucrânia, após a anexação da região da Crimeia pelo governo russo no mês passado.

Em comunicado, o ministério russo disse ainda que a última rodada de sanções mostra que a UE está sob pressão dos EUA para continuar adotando "gestos não amigáveis" com a Rússia. Isso, argumentou o ministério, levou neonazistas a manter a opressão de civis em partes do sudeste da Ucrânia.

Há tempos, a Rússia alega que a população de língua russa da Ucrânia, que representa a maioria nas regiões sul e leste do país, são reprimidos por ucranianos pró-Ocidente simpatizantes do governo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiasançõesretaliação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.