Atta Kenare/AFP
Atta Kenare/AFP

Rússia nega envio de helicópteros de ataque para a Síria

Ministro de Relações Exteriores, Sergey Lavrov, rejeitou acusação norte-americana

AE, Agência Estado

13 de junho de 2012 | 13h27

MOSCOU - O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, rejeitou a acusação norte-americana de que seu país estaria enviando helicópteros de ataque para a Síria, nesta quarta-feira, 13.

Veja também:

linkGoverno sírio diz ter retomado controle de vila rebelde

linkSoldados sírios entram no Líbano e sequestram cidadão libanês

linkVeículos de observadores da ONU são alvo de disparos na Síria

Agências de notícias russas informaram que Lavrov negou a acusação feita nesta terça-feira, 12, pela secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton de que "há helicópteros de ataque seguindo da Rússia para a Síria".

Durante visita ao Irã, Lavrov disse que a Rússia está respeitando contratos firmados anteriormente com a Síria e que fornece exclusivamente sistemas aéreos de defesa. Hillary afirmou que o envio de helicópteros vai "intensificar dramaticamente o conflito".

Lavrov afirmou que a Rússia não está fornecendo armas que possam ser usadas contra manifestantes pacíficos e que "de forma alguma violam as leis internacionais".

A Rússia, juntamente com a China, tem protegido o regime do presidente Bashar Assad contra sanções internacionais por causa da violenta repressão contra manifestantes, que já deixou mais de 13 mil mortos no país, segundo grupos de oposição.

Lavrov também acusou os Estados Unidos de estarem enviando armamentos para os rebeldes sírios, agravando o conflito no país. "Isso (a venda de material bélico para a Síria) contrasta com o que os Estados Unidos estão fazendo com a oposição. Eles fornecem armamento para a oposição síria que está sendo usado contra o governo da Síria", declarou ele.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaRússiaarmashelicópteros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.