Artur Shvarts/Efe
Artur Shvarts/Efe

Rússia nega envolvimento em ocupação de dois aeroportos na Crimeia

Ministro do Interior ucraniano diz que homens armados que tomaram locais fazem parte das forças russas

O Estado de S. Paulo,

28 Fevereiro 2014 | 08h14

SIMFEROPOL, UCRÂNIA - Homens armados tomaram o controle de dois aeroportos em Sevastopol, na região da Crimeia nesta sexta-feira, 28, o que o governo da Ucrânia descreveu como uma invasão e ocupação por forças russas, levantando tensões entre Moscou e o Ocidente.

O ministro do Interior da Ucrânia, Arsen Avakov, acusou as forças da Marinha da Rússia de terem ocupado o aeroporto militar perto do porto de Sevastopol, base da frota do mar Negro, e outras forças russas de tomarem o aeroporto internacional de Simferopol.

"Dentro do aeroporto (de Sebastopol) há militares e guardas de fronteiras da Ucrânia. Mas fora, militares com uniformes com camuflagem e armados, sem distintivos, mas que não escondem pertencerem à Frota do Mar Negro da Rússia", escreveu Avakov em seu perfil do Facebook.

Em Simferopol, "119 militares com armas automáticas, uniformes camuflados e sem distintivos, chegaram ao aeroporto em vários caminhões, entraram no edifício e ocuparam o restaurante. É uma provocação aberta para suscitar um conflito armado e causar derramamento de sangue. Já não é mais competência do Ministério do Interior. Quem deve se encarregar agora é o Conselho de Segurança e Defesa Nacional. Enquanto não houver um conflito armado, devem falar os diplomatas", concluiu.

A frota russa no mar Negro, cuja base fica na região, negou que suas forças estejam envolvidas na tomada dos aeroportos, segundo a agência de notícias Interfax. "Nenhum destacamento da Frota do Mar Negro foi mobilizado na região do Belbek (aeroporto de Sebastopol), muito menos participaram de seu bloqueio", afirmou um porta-voz oficial da frota.

Ele reconheceu, no entanto, que "devido à instabilidade em torno dos quartéis e dos locais de residência dos militares da Frota do Mar Negro na Crimeia, destacamentos antiterroristas da frota foram acionados para reforçar a segurança."

Devido à confusão sobre a identidade dos homens, o presidente em exercício da Ucrânia, Oleksander Turchinov, convocou uma sessão de emergência com os chefes de segurança, enquanto o Parlamento fez um apelo ao governo russo para deter qualquer ação que possa incentivar o separatismo na região.

O Parlamento ucraniano também pediu ao Conselho de Segurança da ONU que convoque uma sessão para discutir a crise no país. A tensão vem aumentando nas Crimeia, região ucraniana que tem uma maioria étnica russa e o último bastião de resistência do presidente deposto Viktor Yanukovich./ REUTERS e EFE

 
Mais conteúdo sobre:
UcrâniaRússiaCrimeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.