Rússia nega participação em queda de caças da Ucrânia

O Ministério da Defesa da Rússia negou as alegações de os disparos responsáveis por abater dois caças militares da Ucrânia foram feitos a partir do território russo.

AE, Agência Estado

24 Julho 2014 | 04h45

Ontem, dois caças militares da Ucrânia foram abatidos quando sobrevoavam uma região controlada por rebeldes pró-Rússia, em um local não muito longe de onde o Boeing 777 da Malaysia Airlines caiu na semana passada. Representantes de Kiev disseram acreditar que os mísseis partiram do lado russo da fronteira.

Os rebeldes pró-Rússia assumiram a autoria do ataque aos caças militares. Eles disseram ter usado lança-foguetes de ombro, mas o Conselho da Defesa e a Segurança Nacional da Ucrânia afirmaram que os aviões voavam a uma altitude de 17.000 pés, muito acima da capacidade de alcance dessas armas.

"Na tentativa de iludir o público e desviar a atenção do desastre do Boeing 777 da Malaysia, as autoridades em Kiev inventaram uma fantasia", publicou a agência russa Interfax, citando um oficial que preferiu não ter o nome publicado. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Ucrânia rússia moscou caças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.