Reuters
Reuters

Rússia pede a EUA e Trump que tratem sozinhos de escândalo de e-mails de democratas

Trump, o candidato presidencial do Partido Republicano, causou revolta nos círculos democratas na quarta-feira ao convidar a Rússia a revelar dezenas de milhares de mensagens eletrônicas da época em que sua rival Hillary era a secretária de Estado americana

O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2016 | 20h10

MOSCOU - A Rússia disse aos Estados Unidos nesta quinta-feira, 28, que resolvam sozinhos o escândalo de vazamento de e-mails envolvendo o Partido Democrata e repudiou o que Donald Trump disse ter sido uma sugestão sarcástica de que Moscou deveria trazer à tona os e-mails "desaparecidos" de Hillary Clinton.

Trump, o candidato presidencial do Partido Republicano, causou revolta nos círculos democratas na quarta-feira ao convidar a Rússia a revelar dezenas de milhares de mensagens eletrônicas da época em que sua rival Hillary era a secretária de Estado americana.

O republicano fez a colocação depois de o presidente dos EUA, Barack Obama, ter afirmado ser possível que a Rússia tente influenciar a eleição presidencial de 8 de novembro na esteira de um vazamento de e-mails do Comitê Nacional Democrata que especialistas atribuem a hackers russos.

As insinuações de envolvimento russo irritaram o Kremlin, que o negou categoricamente e acusou políticos dos EUA de tentar explorar um temor de Moscou digno da Guerra Fria fabricando histórias com propósitos eleitorais.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, vem procurando evitar a impressão de que favorece qualquer candidato americano, mas ao mesmo tempo vem louvando o populista Trump, que qualifica como "muito talentoso". A cobertura da televisão estatal russa tem se inclinado mais para Trump do que Hillary.

Nesta quinta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que as acusações de uma atuação russa na invasão de e-mails do Partido Democrata beiram a "estupidez total" e foram motivadas por um sentimento anti-Rússia. Ele rechaçou de imediato a sugestão aparentemente sarcástica de Trump para que a Rússia revele as mensagens de Hillary.  

"No tocante a estas levas (de e-mails), essa dor de cabeça não é nossa. Nunca metemos o nariz nos assuntos dos outros e realmente não gostamos quando as pessoas tentam meter o nariz nos nossos", afirmou. "Os americanos precisam chegar ao fundo do que estes e-mails são eles mesmos e descobrir do que se trata".    

Analistas dizem que o Kremlin saudaria uma vitória de Trump em novembro porque o bilionário tem elogiado Putin repetidamente, falado sobre o desejo de se dar bem com a Rússia e dito que cogitaria uma aliança com Moscou contra o Estado Islâmico. / REUTERS     

Tudo o que sabemos sobre:
Vladimir PutinDonald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.