AFP PHOTO / Josh Edelson
AFP PHOTO / Josh Edelson

Rússia pede devolução de sedes diplomáticas a EUA

Moscou responsabilizará Washington por piora das relações entre os dois países se edifícios não forem recuperados

O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2017 | 21h51

MOSCOU - A Rússia exigiu neste domingo, 3, que os Estados Unidos revoguem a decisão de fechar os edifícios diplomáticos russos, indicando que, do contrário, Washington seria o único responsável pela deterioração das relações entre os dois países. 

“Consideramos o que aconteceu um ato hostil e uma bruta violação do direito internacional”, declarou o Ministério das Relações Exteriores russo em um comunicado. “Pedimos às autoridades americanas que retifiquem e devolvam imediatamente as propriedades diplomáticas russas”, acrescenta o documento.

No sábado, os russos tiveram de esvaziar seu consulado em São Francisco e duas missões comerciais em Nova York e Washington, para permitir que os agentes federais americanos fizessem buscas e depois confirmassem o fechamento dos locais. “Os serviços secretos americanos, com ajuda da polícia, ocupam agora dois edifícios”, criticou o ministério russo.

Segundo o Departamento de Estado americano, essas inspeções, realizadas na presença de responsáveis russos, tinham como objetivo garantir que os diplomatas tivessem de fato deixado o local.

A resposta foi dada depois que a diplomacia russa disse temer que as buscas pudessem ser “utilizadas pelos serviços especiais americanos para criar um ato de provocação contra a Rússia, com objetivos comprometedores que seriam inseridos por esses mesmos serviços nos locais”.

Consequência

O fechamento das sedes diplomáticas foi a resposta americana à drástica redução em mais da metade, para 455, de diplomatas e funcionários russos e americanos na Rússia, ordenada no fim de julho pelo presidente Vladimir Putin, em reação às novas sanções econômicas aprovadas pelo Congresso americano e endossadas por Donald Trump.

“Nenhum diplomata russo foi expulso dos EUA em relação a esses fechamentos”, disse a diplomacia americana. 

Trump tomou posse em janeiro dizendo querer melhorar os laços EUA-Rússia, que estavam em seu pior momento desde a Guerra Fria. Mas, desde então, a relação se deteriorou ainda mais, principalmente após autoridades de inteligência americanas acusarem Moscou de interferir na eleição dos EUA, o que a Rússia nega. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.