Rússia pede protagonismo de países vizinhos no Afeganistão

Em reunião com países centro-asiáticos, Irã e China, Moscou fala em 'novas ideias' para a região

AP,

27 de março de 2009 | 12h48

Chanceleres da Rússia e do Irã defenderam nesta sexta-feira, 27, um papel maior dos países vizinhos ao Afeganistão no combate ao tráfico de drogas e ao terrorismo. Também nesta manhã, o presidente americano, Barack Obama, anunciou o envio de mais 4 mil soldados para o país, pediu a colaboração de Rússia e Irã para conter a ameaça do Taleban e da Al-Qaeda na região.

Veja também:

linkObama manda mais 4 mil ao Afeganistão e ameaça Al-Qaeda

linkOtan quer estreitar cooperação com o Irã sobre o Afeganistão

linkAtentado mata 48 pessoas na fronteira afegã-paquistanesa

link Confronto com Exército mata 11 rebeldes no país

link Chefe do Exército britânico também quer mais tropas

link Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão especial

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, defendeu o papel das nações centro-asiáticas na estabilização da região. "O Afeganistão precisa de novas ideias. As pessoas estão fartas da matança de inocentes. Precisamos de uma solução onde as potências regionais tenham o papel principal nos problemas do país", disse.

"É natural que os países do grupo de Xangai não fiquem de lado destes esforços coletivos". A organização é controlada pela China e pela Rússia e reúne alguns países da região, como Uzbequistão, Tajiquistão. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e representantes americanos estiveram na reunião.

Para Lavrov, o tráfico da heroína produzida no Afeganistão é uma ameaça à segurança regional. "Os esforços até agora tem sido insuficientes".

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.