Rússia pede que EUA e Europa combatam terrorismo

O vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, pediu que os Estados Unidos e a Europa tomem medidas sérias "para combater o terrorismo" e alertou que vários países no Oriente Médio estão sob ameaça.

AE, Agência Estado

28 de junho de 2014 | 09h13

"A Rússia não vai ficar parada sobre tentativas de grupos terroristas de espalhar o terror em Estados regionais", disse Sergei Ryabkov a repórteres durante uma visita em Damasco, aparentemente referindo-se ao rápido avanço do grupo extremista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) no leste da Síria e no norte do Iraque.

A Rússia tem sido um dos principais aliados do presidente sírio, Bashar Assad, desde o início de uma insurgência contra o governo de Damasco, em março de 2011. Moscou usou seu poder de veto quatro vezes no Conselho de Segurança da ONU para evitar sanções internacionais contra Síria.

Tanto a Rússia como o governo de Assad têm retratado a guerra civil na Síria como uma luta contra "terroristas" apoiados por estrangeiros, palavra que Damasco aplica a todos os rebeldes que lutam para acabar com o domínio de quatro décadas da família Assad.

"É preciso haver um confronto ao terrorismo, ao tomar medidas integrais contra o radicalismo e ao buscar uma solução para evitar o fluxo de combatentes do exterior", disse Ryabkov, acrescentando que o terrorismo terá "repercussões catastróficas" em toda a região.

Milhares de combatentes estrangeiros, incluindo centenas da ex-União Soviética, estão lutando contra as forças de Assad em diferentes partes da Síria, principalmente em nome do Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Rússiaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.