Rússia pode não permitir uso de radares pelos EUA, diz Irã

Oferta de uso de base, feita por Putin, pode não se concretizar, dizem iranianos

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h47

A Rússia sinalizou que não vai permitir que os Estados Unidos usem uma estação de radar no Azerbaijão para a defesa de mísseis contra o Irã, disse o porta-voz do Ministério do Exterior iraniano, segundo informou neste domingo a agência de notícias Irna. O presidente russo, Vladimir Putin, que contesta a decisão dos Estados Unidos quanto à localização de um proposto sistema antimísseis americano no Leste da Europa, ofereceu como alternativa o uso conjunto de um centro de radares no Azerbaijão. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Ali Hosseini, disse, porém, que a Rússia não tem intenção de permitir que Washington use a estação no Azerbaijão, que tem fronteira com o Irã e a Rússia. "Parece que a Rússia não tem intenção de tomar decisões que possam resultar na instabilidade e insegurança na região em que ela própria está localizada", disse Hosseini na entrevista que dá, semanalmente, à agência de notícias. Os Estados Unidos disseram na quinta-feira, 14, à Rússia que a oferta do Kremlin não pode substituir os planos de posicionar o escudo antimísseis no Leste da Europa, para enfrentar eventuais lançamentos de mísseis por Teerã. O Ocidente teme que o Irã queira fazer uma bomba atômica, mas Teerã afirma que o seu trabalho atômico tem como único objetivo a geração de eletricidade. Os Estados Unidos dizem que buscam uma solução diplomática para essa disputa, mas não descartaram uma ação militar. O Irã ameaçou atacar os interesses dos EUA em todo o mundo e Israel, se for agredido. Hosseini disse que a proposta de Putin foi discutida com os embaixadores da Rússia e do Azerbaijão em Teerã. "Os embaixadores do Irã para a Rússia e o Azerbaijão também discutiram a questão com os representantes dos dois países", disse Hosseini. Washington planeja usar interceptadores na Polônia e radares na República Checa, configuração que, segundo Washington, seria ideal para bloquear mísseis, particularmente do Irã, que se dirigissem para os Estados Unidos e à maior parte da Europa. A Rússia vem dizendo que esse esquema dos EUA é uma ameaça para sua segurança, e que as bases americanas propostas para serem instaladas tão perto de seu território podem ser convertidas para usos mais perigosos no futuro.

Mais conteúdo sobre:
rússia irã antimíssil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.