Rússia pode passar a estocar lixo nuclear

O ministro de Energia Nuclear da Rússia, Alexander Rumyantsev, disse ser muito provável que o presidente Vladimir Putin aprove, dentro de duas semanas, um controvertido projeto de lei sobre a importação do lixo produzido pelo consumo de combustível nuclear. Enfrentando a oposição das pessoas que temem a transformação da Rússia em um esgoto nuclear para todo o mundo, a lei foi bastante criticada na câmara baixa do Parlamento russo, a Duma, mas recebeu aprovação no mês passado. O projeto também passou pela câmara alta na sexta-feira, e agora espera o aval de Putin."O presidente está obviamente muito preocupado com os temores do público com relação ao plano", disse Rumyantsev durante uma entrevista coletiva. Ainda de acordo com ele, Putin deverá pedir garantias adicionais para certificar-se da segurança e da prestação de contas ao público. "A máxima transparência com relação às transações está garantida", afirmou.O Ministério de Energia Nuclear propõe a criação de um comitê de fiscalização, formado por representantes do povo, da comunidade científica e do parlamento, para supervisionar as importações.Os autores do projeto, entre os quais figura o próprio ministério, dizem que a importação levaria à Rússia 20.000 toneladas métricas de lixo nuclear para armazenamento e reprocessamento durante uma década, gerando US$ 20 bilhões adicionais aos cofres do governo. Já os críticos alegam que os péssimos índices de segurança nuclear do país e a corrupção nos diversos escalões do governo levantam dúvidas sobre a capacidade da Rússia sobre sua capacidade de lidar com segurança com o lixo nuclear e de impedir que ocorram contaminações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.