Anatoly Maltsev/EFE/EPA
Anatoly Maltsev/EFE/EPA

Regime russo prende 4,3 mil em um dia de protestos contra guerra na Ucrânia

Protestos não autorizados foram registrados em Moscou, São Petersburgo e outras cidades

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2022 | 12h56

MOSCOU - Pelo menos 4.300 pessoas foram presas neste domingo, 6, em várias manifestações realizadas na Rússia para exigir o fim da invasão da Ucrânia, em resposta ao chamado do líder opositor Alexei Navalni.

Conforme relatado pela agência russa Tass and Interfax, Irina Volk, porta-voz do Ministério do Interior russo, indicou que há pelo menos 4.300 detidos em uma série de protestos não autorizados que ocorreram em Moscou, São Petersburgo e outras cidades russas.

Segundo essa fonte, cerca de 2.500 pessoas se manifestaram em Moscou, das quais 1.700 foram presas, enquanto outras 1.500 participaram de um protesto semelhante em São Petersburgo, das quais 750 foram presas.

A porta-voz do Interior disse que outras 1.200 pessoas realizaram manifestações não autorizadas em outras regiões do país, das quais 1.061 foram detidas.

O líder da oposição russa, Alexei Navalni, exortou a população do país a "ignorar as proibições" e tomar as ruas de Moscou e São Petersburgo neste domingo para exigir o fim da invasão da Ucrânia e protestar contra o presidente russo Vladimir Putin.

A Procuradoria-Geral da Rússia e o Ministério do Interior alertaram a população para não participar dos protestos, sob risco de prisão, um aviso que Navalni denunciou como um ato de repressão. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.