Rússia pressiona Irã por causa de programa nuclear

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, pediu que o Irã aja de modo responsável e transparente para encerrar o impasse em torno de seu programa nuclear. A declaração é vista como mais um sinal da impaciência de Moscou com o país persa. "Eu acho que a forma de sair dessa situação é o próprio comportamento responsável do Irã", afirmou Medvedev em entrevista à revista francesa Paris-Match.

AE, Agencia Estado

25 de fevereiro de 2010 | 13h06

"Nós acreditamos que os programas nucleares do Irã devem atender às demandas de organizações internacionais como a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) e também que o trabalho nessa área seja transparente e com monitoramento." Medvedev afirmou que, até o momento, "infelizmente, há muitos problemas".

O Kremlin mostra nas últimas semanas sinais de crescente irritação com o Irã e não exclui apoiar uma nova rodada de sanções contra Teerã no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU). O país já foi alvo de três rodadas de sanções no CS, órgão em que a Rússia tem poder de veto, ao lado de Inglaterra, Estados Unidos, China e França. Os EUA e seus aliados no Ocidente afirmam que o Irã trabalha secretamente para construir uma bomba atômica. O país persa, porém, diz ter apenas fins pacíficos, como a produção de energia.

A Rússia, que tem fortes laços com o Irã há anos, mostra descontentamento pelo fato de Teerã rejeitar um plano mediado pela ONU para resolver o impasse nuclear. Apesar das declarações de Medvedev, o ministro das Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov, afirmou que não há evidências claras de que o Irã esteja em busca de armas nucleares.

Apesar disso, ele também notou que o país não conseguiu cooperar apropriadamente com as organizações internacionais em torno das preocupações sobre seu programa nuclear. Lavrov disse que a Rússia pode apoiar sanções, mas duvidou da eficácia desse mecanismo, que poderia apenas isolar o país e prejudicar a população local.

Negociações

Também hoje, o presidente do Parlamento do Irã, Ali Larijani, afirmou que o país estudará uma proposta japonesa segundo a qual Tóquio enriqueceria urânio para o país persa. As potências pressionam o Irã a aceitar um acordo para enviar urânio ao exterior, trocando esse material por urânio mais enriquecido. Com isso, aumentaria o controle internacional sobre o material, reduzindo-se o risco de um programa nuclear secreto. Larijani disse que a proposta do Japão precisa ser estudada. Ele visitou Tóquio, onde se encontrou com o primeiro-ministro Yukio Hatoyama e com o chanceler Katsuya Okada.

Já a China reiterou que ainda é preciso negociar mais com os iranianos para resolver o impasse nuclear. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores afirmou que "ainda há espaço para esforços diplomáticos e diálogos". A China, por enquanto, não tem apoiado novas sanções ao Irã na ONU. Pequim, com poder de veto no CS, é um aliado próximo de Teerã e tem interesses no setor de petróleo no país. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
programa nuclearRússiaIrãpressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.