REUTERS/Evgenia Novozhenina
REUTERS/Evgenia Novozhenina

Rússia prolonga embargo alimentício ao Ocidente em resposta a sanções

Vladimir Putin assina decreto que estende até o fim de 2020 proibição ou restrição das importações de produtos agrícolas, matérias-primas e alimentos de países que aplicaram medidas econômicas contra Moscou em razão da crise ucraniana

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2019 | 12h06

MOSCOU - O presidente russo, Vladimir Putin, prolongou nesta segunda-feira, 24, por um ano o embargo alimentício que impôs em 2014 em resposta às sanções que União Europeia (UE), Estados Unidos e outros países ativaram contra a Rússia por seu papel no conflito ucraniano.

Putin assinou um decreto que estende até 31 de dezembro de 2020 a ordem que proíbe ou restringe as importações de produtos agrícolas, matérias-primas e alimentos dos países que aderiram às sanções contra funcionários, bancos, empresas e petrolíferas russas, entre outros, segundo o portal de informação legal da Rússia.

A primeira vez que a Rússia impôs este embargo alimentício, que vem sendo prolongado anualmente, foi em agosto de 2014 com o objetivo de "proteger a segurança da Federação Russa". 

A decisão de Moscou de prolongar o embargo acontece apenas quatro dias depois de os líderes da UE terem decidido estender por seis meses as sanções econômicas impostas à Rússia por seu papel na crise separatista no leste da Ucrânia e por não ter aplicado os acordos de paz de Minsk.

A UE condiciona o fim das sanções econômicas à aplicação total do acordo de Minsk e ainda há carências na sua implementação, que inclui a retirada de armamento pesado, o respeito ao cessar-fogo e a cessão à Ucrânia do controle de amplas áreas da fronteira comum.

As primeiras restrições foram introduzidas pela UE em 31 de julho de 2014, inicialmente por um período de um ano, em resposta às "ações empreendidas pela Rússia, que provocam a desestabilização da situação na Ucrânia".

As sanções ocidentais decretadas contra Moscou, junto com a queda dos preços dos hidrocarbonetos, afundaram a Rússia em sua recessão mais longa desde a chegada de Putin ao Kremlin em 2000. Por outro lado, as medidas fortaleceram o agronegócio no país, especialmente em cidades do interior/ EFE e AFP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.