Maxim Shemetov/Pool Photo via AP
Maxim Shemetov/Pool Photo via AP

Rússia promete continuar fortalecendo capacidade militar da Venezuela

Vice-chanceler russo afirmou que país continuará com a implementação de projetos de cooperação com Caracas, incluindo atividades que 'fortalecerão a capacidade das forças armadas' do país

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2019 | 12h04

MOSCOU - A Rússia continuará desenvolvendo suas "relações de amizade" com a Venezuela, o que inclui também atividades destinadas ao fortalecimento das capacidades militares do país, afirmou nesta sexta-feira, 5, o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Serguei Riabkov.

"Continuaremos trabalhando no desenvolvimento das nossas relações de amigos e aliados com a irmã Venezuela", disse o diplomata russo ao participar em Moscou de um evento por ocasião dos 208 anos da assinatura da ata de independência do país caribenho.

Riabkov ressaltou que a Rússia seguirá implementando projetos de cooperação com a Venezuela que abrangem "diversas áreas". "No marco dos acordos existentes, realizaremos também atividades que fortalecerão a capacidade das forças armadas desse país", disse.

Ao mesmo tempo, o vice-ministro russo voltou a negar "as especulações sobre a presença de militares russos na Venezuela", ao alegar tratar-se de especialistas técnicos encarregados da manutenção de equipamentos repassados pela Rússia a Caracas.

Riabkov antecipou ainda que abordará também a cooperação bilateral durante uma visita à Venezuela que fará entre os dias 20 e 22 de julho. Além de reuniões, o diplomata participará da reunião ministerial do Birô de Coordenação do Movimento de Países Não-Alinhados, no qual a Rússia atua como observador permanente.

Os Estados Unidos e outros países vêm criticando a presença da Rússia na Venezuela e Washington chegou a exigir que o pessoal russo abandonasse o país.

Por sua parte, o presidente russo, Vladimir Putin, assegurou em um recente encontro com os diretores das principais agências mundiais de notícias que Moscou "não está criando nenhuma base (militar), nem levando tropas para lá".

No final de junho, a Rússia informou da retirada da Venezuela de um grupo de especialistas encarregados da manutenção de equipamentos repassados a esse país e da "capacitação do pessoal venezuelano". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.