Juan Carlos Torrejon/ EFE
Juan Carlos Torrejon/ EFE

Rússia promete resolver atraso no envio da Sputnik à Argentina, mas prioriza 'demanda interna'

País sul-americano reclamou em carta que demora está impedindo progresso da campanha de vacinação

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2021 | 11h40

MOSCOU — Depois de reclamações da Argentina, o Kremlin afirmou nesta sexta-feira que a Rússia resolverá os atrasos nas entregas da vacina Sputnik V contra a covid-19, mas que sua prioridade é atender a demanda interna. A Argentina, um dos primeiros países a usar a Sputnik V amplamente, reclamou que os atrasos na chegada dos ingredientes para as segundas doses estão impedindo o progresso da campanha de vacinação no país.

O governo argentino enviou uma carta ao fundo de investimentos estatal russo RDIF, datada de 7 de julho, na qual afirmava que precisava com urgência do componente para fabricar a segunda dose da vacina, que é diferente do usado na primeira dose, e alertava que o acordo de fornecimento estava em risco. O RDIF negocia a venda da Sputnik para o exterior.

“A esta altura, todo o contrato corre o risco de ser cancelado publicamente”, escreveu o governo de Alberto Fernández na carta, divulgada pelo jornal  La Nación na quinta-feira e confirmada publicamente por dois altos funcionários. “Entendemos a escassez e as dificuldades de produção de alguns meses atrás. Mas agora, sete meses depois, ainda estamos muito atrasados, pois começamos a receber doses de outros fornecedores regularmente, com cronogramas cumpridos."

Com uma população de cerca de 45 milhões de habitantes, a Argentina vacinou 22,9 milhões de pessoas com a primeira dose, quase 50% da população, mas apenas 5,8 milhões com a segunda dose, uma das maiores defasagens na região. A Rússia, por sua vez, vacinou apenas 15% da população com a primeira dose e 8% com a segunda e vive um aumento de casos causado, entre outras razões, pela recusa de parte da população em se imunizar.

A ministra da Saúde argentina, Carla Vizzotti, confirmou o envio da carta na quinta-feira e disse que era uma prática comum pressionar os fornecedores para ajudar a garantir que os contratos fossem cumpridos. 

Segundo ela, a pressão ajudou a acelerar as coisas e cerca de 500 litros do segundo componente da vacina chegarão nas próximas semanas, permitindo a produção nacional de mais 880 mil segundas doses pelos Laboratorios Richmond, a empresa argentina que faz a produção e o fracionamento da vacina. “Como resultado dessa intensa negociação, o panorama do componente dois, que é nosso grande foco, está ficando mais claro”, disse Vizzotti.

A Argentina, um dos primeiros países do mundo a fechar contrato para a compra da Sputnik V, tem hoje uma média diária de 13.700 casos da covid-19 e 340 mortos. Com o atraso, o governo vem buscando adquirir mais vacinas dos Estados Unidos e fechou um grande acordo com a Moderna. / AFP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.