Rússia promete retirar tropas da Geórgia amanhã

Hoje o presidente francês Nicolas Sarkozy alertou o líder russo Dmitry Medvedev das "sérias conseqüências" para as relações de Moscou com a União Européia (UE), se a Rússia não colaborar com o acordo de cessar-fogo com a Geórgia.Em um telefonema, Sarkozy disse ao presidente russo que é preciso que ocorra "uma retirada, sem atrasos, de todas as forças militares russas que entraram na Geórgia desde 7 de agosto," informa a assessoria do líder francês em comunicado. Medvedev prometeu dar início ao movimento de retirada amanhã, por volta do meio-dia, acrescenta o comunicado.A França, cujo o país atualmente detém a presidência da União Européia (UE), ajudou a intermediar o acordo de cessar-fogo. Sarkozy alertou Medvedev que "a falha na conclusão rápida e completa do acordo terá sérias conseqüências nas relações entre a Rússia e a UE".Os dois líderes também concordaram que observadores internacionais da Organização para Segurança e Cooperação na Europa serão enviados "assim que possível", e prometeram entrar em contato por telefone diariamente.A pressão do Ocidente tem crescido sobre Moscou para a retirada de suas forças pelo acordo de cessar-fogo na Ossétia do Sul, uma das duas províncias separatistas da Geórgia. Os Estados Unidos e a França têm acusado a Rússia de desafiar a trégua, visto que tanques russos e suas tropas continuam a circular livremente pelo território da Geórgia.Corredor humanitárioHoje o papa Bento 16 pediu pela criação imediata de um corredor humanitário para acelerar a ajuda aos refugiados na Geórgia e pediu para que os direitos humanos das minorias étnicas envolvidas no conflito sejam respeitados. "Faço um chamado pela abertura de um corredor humanitário entre a região da Ossétia do Sul e o restante da Geórgia, de modo que os mortos, que foram abandonados, possam receber sepultamento digno, e que os feridos recebam atendimento adequado e que todos possam se reunir com seus entes queridos".A chanceler alemã Angela Merkel embarcou para encontrar-se na Geórgia com o presidente Mikhail Saakashvili. A reunião faz parte dos esforços diplomáticos para acabar com a crise na região do Cáucaso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.