Rússia proporá que G8 eleve segurança das usinas nucleares

Segundo Dmitri Medvedev, estes requerimentos de segurança devem ficar referendados em documentos jurídicos internacionais de obrigatório cumprimento por todos os países

Efe,

26 de abril de 2011 | 04h24

MOSCOU - O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, anunciou nesta terça-feira, 26, que proporá aos países do Grupo dos Oito (G8, que reúne as principais economias do mundo mais a Rússia) iniciativas concretas para "elevar a segurança das usinas elétricas nucleares", em mensagem à população por ocasião do 25º aniversário da catástrofe de Chernobyl.

 

O chefe do Kremlin indicou que estas iniciativas se referem ao aumento da responsabilidade dos países que utilizam energia nuclear, segundo informou o escritório de imprensa da Presidência da Rússia.

 

O documento precisa que as propostas russas sejam apresentadas na próxima cúpula do G8, que será realizada nos dias 26 e 27 de maio em Deauville, no norte da França.

 

"Consideramos que são necessárias exigências de segurança adicionais para a construção e exploração de instalações energéticas nucleares", ressaltou o chefe do Estado russo, citado pela agência Interfax.

 

Segundo Medvedev, estes requerimentos de segurança devem ficar referendados em documentos jurídicos internacionais de obrigatório cumprimento por todos os países.

 

O presidente russo acrescentou que as organizações internacionais, em primeiro lugar o Organismo Internacional para a Energia Atômica, deverão velar estritamente pelo cumprimento dessas exigências.

 

"É necessário que as novas centrais elétricas nucleares sejam construídas com as máximas barreiras de proteção; que os princípios de abertura informativa e de total transparência das ações se transformem em uma norma de trabalho para todas as usinas nucleares do mundo", especificou.

 

Junto o com o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, Medvedev visitará nesta terça-feira a central de Chernobyl, que há 25 anos (completados hoje) foi cenário da maior catástrofe na história do uso pacífico da energia nuclear.

Os dois chefes de Estado renderão tributo às vítimas diretas do acidente.

 

"Milhões de pessoas foram expostas à radiação e centenas de milhares tiveram que abandonar suas casas. As consequências desse acidente ainda são sentidas no território da Ucrânia, da Rússia e de outros países", declarou o chefe do Kremlin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.