Rússia protesta contra extradição de 'Mercador da Morte' para os EUA

Justiça tailandesa decidiu extraditar Viktor Bout - acusado de tráfico de armas - para os Estados Unidos.

BBC Brasil, BBC

20 de agosto de 2010 | 07h57

O governo da Rússia protestou contra a decisão da Justiça da Tailândia de extraditar o russo Viktor Bout, conhecido como "Mercador da Morte", para que seja julgado nos Estados Unidos.

O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, descreveu a decisão anunciada pelas autoridades tailandesas nesta sexta-feira como ilegal e afirmou que foi tomada sob forte pressão externa.

Lavrov afirmou que a Rússia continuará a lutar para que Bout seja enviado ao país.

Bout, que é suspeito de ter vendido armas para grupos insurgentes em vários países, inclusive da África e Oriente Médio, nega as acusações.

Ele foi preso na Tailândia em 2008, em uma operação em que agentes americanos se disfarçaram de guerrilheiros das Farc tentando comprar armas.

Uma corte tailandesa havia rejeitado o pedido de extradição apresentado pelos Estados Unidos, mas a apelação de Washington foi aceita por uma corte de instância superior nesta sexta-feira.

Nova decisão

As autoridades americanas apresentaram duas novas acusações de lavagem de dinheiro e fraude eletrônica contra Bout antes da audiência desta sexta - se a apelação tivesse sido rejeitada, o russo teria que aguardar na prisão uma nova decisão da Justiça.

A corte deu às autoridades três meses para lidar com as novas acusações, mas o mais provável é que os Estados Unidos abandonem os casos para que a extradição ocorra o mais rapidamente possível.

"A corte decidiu detê-lo para que seja extraditado para os Estados Unidos", afirmou o juiz Jitakorn Patanasiri.

A decisão já havia sido adiada várias vezes por conta da constante troca dos advogados de defesa.

Bout é acusado de conspiração para matar americanos, conspiração para enviar material de apoio a terroristas e conspiração para adquirir e usar mísseis anti-aéreos. Ele pode ser condenado à prisão perpétua nos Estados Unidos.

O filme O Senhor das Armas, estrelado por Nicolas Cage, foi baseado nas acusações sobre Bout.

'Bom no que faz'

Seu advogado argumenta que Bout não vai receber um julgamento justo nos Estados Unidos, onde as autoridades o acusam de ter fornecido armas a ditadores, à rede al-Qaeda e ao Talebã.

Agências da ONU e vários governos ocidentais relataram que Bout entregou armas a ditadores e senhores de guerra na África e no Afeganistão, violando uma série de embargos das Nações Unidas.

"Viktor é um empreendedor, um empresário. Ele é bom no que faz", disse seu advogado, Lak Nittiwattanawichan.

"Se ele é ou não traficante de armas terá que ser provado na corte. Eu, pessoalmente, não estou a par dessas atividades."

"Este é um caso político. As Farc lutam por uma causa política e não são uma quadrilha criminosa. A Tailândia não reconhece as Farc como um grupo terrorista", explicou o juiz ao negar o pedido de extradição feito pelos Estados Unidos no ano passado, referindo-se à operação que levou à prisão de Bout.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.