Rússia quer criar força militar especial para o Ártico

Acredita-se que 25% do petróleo e do gás não descobertos do mundo estejam nesta disputada área

Agência Estado e Associated Press,

27 de março de 2009 | 13h45

A Rússia planeja criar uma força militar dedicada a proteger seus interesses na disputada região do Ártico, aponta um documento do Conselho de Segurança presidencial do país. O texto prevê a criação de um grupo especial de forças paramilitares. O texto foi firmado em setembro pelo presidente russo, Dmitri Medvedev. As estratégias vieram a público em reportagens da imprensa local nesta sexta-feira, 27.

 

O documento do Kremlin é liberado em um momento em que Rússia, Estados Unidos, Canadá e outros países tentam garantir controle sobre o Ártico. Acredita-se que 25% do petróleo e do gás não descobertos do mundo estejam nessa área.

A disputa surge em meio às crescentes provas de que o aquecimento global está derretendo o gelo polar, abrindo novas rotas e possibilitando a exploração de recursos naturais. O documento do Kremlin foi divulgado no site do Conselho de Segurança do governo. Ele pede que sejam fortalecidas as forças de guarda da fronteira na região e que seja modernizado o equipamento.

Segundo o documento, a Rússia encerrará em 2011 seus estudos geológicos para provar suas intenções sobre recursos do Ártico. Nos quatro anos posteriores, o governo russo pretende conseguir reconhecimento internacional dessa zona e então começar a explorá-la. Moscou já enviou um pedido sobre a área em 2001 para as Organização das Nações Unidas (ONU). Porém naquela ocasião ele foi rejeitado por falta de provas.

 

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaÁrticomilitar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.