Rússia quer firmar pacto antimísseis com os Estados Unidos

Moscou espera que Washington confirme, por meio de um acordo de cumprimento obrigatório, que o seu planejado sistema antimísseis não é voltado contra a Rússia. A declaração foi feita nesta terça-feira por uma fonte do ministério russo das Relações Exteriores à agência de notícias Interfax. A Rússia está alarmada pelos planos norte-americanos de instalar na Polônia e na República Checa parte do sistema destinado a proteger a Europa de mísseis disparados por Estados hostis, como Irã e Coréia do Norte. Os EUA dizem que o sistema não está programado para atingir qualquer alvo na Rússia, mas importantes autoridades em Moscou questionam esses argumentos e garantem que os novos equipamentos representam uma ameaça à segurança nacional russa. "A Rússia está comprometida em continuar o diálogo com os Estados Unidos para obter acordos de cumprimento juridicamente obrigatório que garantam que os potenciais militares de ambos os lados não sejam colocados na mira uns dos outros", disse o diretor de Planejamento de Política Externa do ministério, Alexander Kramarenko, à Interfax.Ele não explicou se a idéia já foi apresentada a Washington ou se teve alguma resposta. No final da Guerra Fria, Moscou e Washington decidiram que não mais pré-programariam seus mísseis de longo alcance para atingir alvos específicos em seus territórios. Mas analistas dizem que o gesto é em grande parte simbólico, e é virtualmente impossível verificar se isso aconteceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.