YURI CORTEZ / AFP
YURI CORTEZ / AFP

Rússia queria que seus aviões fossem vistos em Caracas

Normalmente, aeronaves russas aterrissam em bases militares, longe dos olhos do público

Anatoly Kurmanaey / THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2019 | 05h00

A visita à Venezuela de dois aviões militares russos, que aterrissaram em plena luz do dia no aeroporto internacional de Caracas, provocou o temor de que o Kremlin possa estar agindo mais abertamente para proteger Nicolás Maduro de um levante.

Funcionários russos e venezuelanos não fizeram comentários sobre a chegada, no sábado, dos aviões, que trouxeram suprimentos para a Venezuela. Normalmente, esses aviões aterrissariam em uma base militar, longe do público. De acordo com a agência estatal russa Ria Novosti e diplomatas russos, a visita está relacionada a contratos de cooperação militar assinados anos atrás entre a Rússia e a Venezuela. Um diplomata russo em Caracas disse, sob condição de anonimato, que a informação da agência estatal é verdadeira e não há nada incomum na visita.

No entanto, membros da oposição disseram que a visibilidade dos aviões militares russos foi incomum e teria como objetivo enviar uma mensagem. “O momento da visita indica que tanto os funcionários venezuelanos quanto os russos queriam converter uma parada técnica de rotina em uma demonstração de força”, disse Rocio San Miguel, analista de segurança venezuelana.

“Eles queriam tornar a visita tão visível quanto possível. É um tipo de blefe em um momento estrategicamente importante para Maduro.”

A Rússia tem se mostrado o principal aliado de Maduro desde que o líder opositor, Juan Guaidó, se proclamou presidente interino da Venezuela no fim de janeiro com o respaldo dos EUA e de outras 50 nações. Os russos têm contratos de manutenção do armamento vendido à Venezuela durante o governo do presidente Hugo Chávez, que morreu em 2013, incluindo um sistema de defesa aérea, caças e tanques, que valem bilhões de dólares.

Sites de monitoramento de voos mostraram um jato Ilyushin Il-62 e um avião de carga Antonov An-124 voando do aeroporto militar de Moscou para o aeroporto internacional de Caracas, com uma escala na Síria. O avião de carga retornou à Síria na segunda-feira, segundo o site de monitoramento bosphorusobserver.com.

A chegada de assessores a Caracas ocorreu depois de a Venezuela ativar, na semana passada, o sistema de defesa aérea russo S300, disseram analistas da empresa ImageSat Intl. Recentemente, a Rússia também enviou esse mesmo sistema S300 à Síria.

É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.