Rússia ratifica tratado de desarmamento nuclear Start

Os deputados aprovaram em terceira leitura o documento que reduz em 30% o número de ogivas nucleares

Efe,

25 de janeiro de 2011 | 12h48

MOSCOU - A Câmara dos Deputados da Rússia ratificou nesta terça-feira, 25, um novo Tratado de Redução de Armamentos Nucleares Estratégicos com a Rússia, conhecido como Start, já aprovado em dezembro passado pelo Senado dos Estados Unidos.

 

Veja também:

link Rússia elogia aprovação de tratado no Senado dos EUA

link Senado dos Estados Unidos ratifica tratado nuclear com Rússia

linkObama elogia ratificação do Start no Senado

 

Os deputados aprovaram em terceira leitura o documento que reduz em 30% o número de ogivas nucleares, até 1.550 por país, e limita a 800 os vetores estratégicos, como mísseis intercontinentais, submarinos e bombardeiros.

 

O novo Start recebeu o respaldo de 350 deputados do partido do Kremlin, Rússia Unida, e da também formação governista Rússia Justa, enquanto os 96 parlamentares comunistas e ultranacionalistas votaram contra.

 

Na resolução aprovada pela Câmara, os deputados russos ressaltam que o novo Start, assinado em abril do ano passado pelos presidentes russo, Dmitri Medvedev, e americano, Barack Obama, é "estrategicamente beneficente para a Rússia".

 

O Senado dos Estados Unidos ratificou na tarde em dezembro de 2010 o tratado. O acordo, considerado uma prioridade da política externa do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, passou com 71 votos a favor e 26 contra.

 

Além disso, destacam que o documento não impõe limitações para que a Rússia continue desenvolvendo seu arsenal estratégico e mantenha a paridade nuclear com os Estados Unidos, que por sua vez adverte do perigo de uma ampliação dos elementos do escudo antimísseis americano na Europa.

Os deputados russos responderam assim à resolução emitida em dezembro passado pelo Senado americano na qual se assegura que o novo Start não limita a expansão do escudo antimísseis americano.

A Câmara adverte que o desdobramento próximo às fronteiras russas de elementos estratégicos do escudo por parte dos EUA e de outros países será motivo para que Rússia abandone o tratado, já que suporia "uma ameaça para a segurança nacional".

Ao assinar em abril do ano passado o tratado de redução de arsenais estratégicos, Rússia e EUA se puseram de acordo em sincronizar sua ratificação.

  

O tratado, mais conhecido como Start, limita a 1.500 a quantidade de armas nucleares estratégicas a serem mantidas pelos dois países e prevê a retomada das inspeções mútuas dos arsenais atômicos. A versão original do tratado, assinado em 1991, entrou em vigor em 1994 e expirou no ano passado. 

 

(Com Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
Startdesarmamento nuclearRússiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.