George OURFALIAN / AFP)
George OURFALIAN / AFP)

Rússia reage a ataque com gás rebelde que feriu 107 na Síria

De acordo com um grupo de monitoramento, as bombas espalharam um forte cheiro e causaram problemas respiratórios a dezenas de pessoas em Alepo, que está sob controle do governo

O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2018 | 16h14

DAMASCO -  A Força Aérea da Rússia bombardeou neste domingo, 25, posições dos rebeldes sírios em Alepo depois de um ataque com gás tóxico ter ferido 107 pessoas. Representantes do governo de Bashar Assad acusaram grupos terroristas de terem atacado na noite de sábado a cidade. De acordo com um grupo de monitoramento, as bombas espalharam um forte cheiro e causaram problemas respiratórios a dezenas de pessoas em Alepo, que está sob controle do governo.

“Todos os alvos foram destruídos”, anunciou o porta-voz do Ministério da Defesa, Igor Konashenkov, citado pela agência de notícias estatal Tass.

O Observatório de Direitos Humanos da Síria também disse que aviões de combate atingiram territórios rebeldes no noroeste do país pela primeira vez desde que a Rússia e a Turquia chegaram a uma zona de segurança em setembro.

Em um país destruído desde 2011 por uma guerra que já causou mais de 360 mil mortes, os rebeldes, assim como o regime de Bashar Assad, foram acusados em várias ocasiões de terem usado armas químicas, proibidas pelo direito internacional.

O chefe de polícia de Aleppo, Essam al-Chili, afirmou à agência Sana que os grupos terroristas atacaram os bairros residenciais com foguetes que continham gases tóxicos, provocando casos de asfixia entre os civis. 

Esse ataque marca o maior número de vítimas em Alepo desde que forças do governo e seus aliados recuperaram a cidade de rebeldes há quase dois anos.

Moscou, principal aliado do presidente sírio, Bashar Assad, disse que conversará com a Turquia, que apoia algumas facções rebeldes e ajudou a intermediar um cessar-fogo na região de Idlib. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.