Maxim Shemetov/REUTERS
Maxim Shemetov/REUTERS

Rússia recusa pouso de aviões europeus em Moscou após veto a espaço aéreo de Belarus

Retaliação do Kremlin atingiu voos de companhias aéreas francesas e austríacas

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2021 | 17h39

MOSCOU - O governo da Rússia negou permissão para pouso para ao menos três voos vindos da Europa entre esta quarta-feira, 26, e quinta-feira, 27, em retaliação à decisão, por parte de companhias aéreas, de alterar rotas para evitar o espaço aéreo de Belarus. As companhias Austrian Airlines e Air France  não conseguiram viajar. Outras empresas, como a British Airways e KLM, conseguiram usar novas rotas em voos para Moscou.

A decisão das autoridades de aviação da Rússia forçaram o cancelamento dos três voos, um de Viena para Moscou e outros dois de Paris para a capital russa. Ambas as companhias responsáveis pelos voos, Austrian Airlines e Air France, seguiam uma recomendação da European Union Aviation Safety Agency (EASA). Ainda não se sabe se a retaliação é temporária.

O espaço aéreo sobre a Europa Oriental se transformou em um tabuleiro geopolítico após um avião comercial que fazia o trajeto entre Grécia e Lituânia receber ordens para pousar em Minsk, capital de Belarus, onde dois de seus passageiros, o jornalista opositor Roman Protasevich e sua namorada, Sofia Sapega, foram presos.

O governo belarusso alegou ter dado as ordens após receber por e-mail uma ameaça de bomba no voo, que se comprovou falsa. A empresa responsável pelo provedor do e-mail utilizado informou que a mensagem foi enviada após o avião ter sido desviado, corroborando a teoria de que a ameaça foi um estratagema para capturar Protasevich, que vivia no exílio desde 2019. 

Desde então, a pedido de líderes europeus, companhias aéreas sediadas em países do bloco evitam o espaço belarusso. Os aeroportos da UE também impedem a chegada de voos de Belarus. O resultado foi o isolamento do país- um país de 9,5 milhões de habitantes dividido por protestos contra o governo desde o verão passado - da maior parte da Europa. A fronteira aberta com a Rússia se tornou uma das poucas maneiras de as pessoas entrarem e saírem do país.

Há sinais de que o cancelamento de voos pode não refletir uma nova política geral, já que alguns voos puderam pousar em Moscou. “A administração presidencial não controla o tráfego aéreo”, disse o porta-voz de Putin, Dmitri Peskov, a repórteres. Moscou não especificou se as companhias aéreas russas atenderiam às exigências de evitar o espaço aéreo belarusso. A russa Aeroflot cancelou um voo agendado para Vilnius, na Lituânia, sem explicação. 

A Rússia não comentou oficialmente sobre o assunto, mas a retaliação indica que Moscou pode estar preparada para dobrar seu apoio a Alexander Lukashenko. O presidente russo Vladimir Putin encontrará o ditador belarusso em Sochi nesta sexta-feira, 28. /Com NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.