Rússia reduz fornecimento de gás à Bielo-Rússia

A Rússia está reduzindo o fornecimento de gás natural à vizinha Bielo-Rússia depois de declarar que o país não conseguiu pagar suas dívidas. Em 15 de junho, o presidente russo Dmitry Medvedev deu cinco dias para que os bielo-russos sinalizassem com uma solução. Uma autoridade da União Europeia afirmou que a disputa não deve afetar o suprimento do combustível para o resto do continente.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2010 | 13h06

Medvedev autorizou a gigante de gás OAO Gazprom a se preparar para reduzir o fornecimento de gás natural à Bielo-Rússia, segundo comunicado do Kremlin publicado em seu site. No início da tarde de hoje, pelo horário local, o monopólio de gás informou que havia cortado o fornecimento do recurso ao país vizinho em 15%, e que o corte poderia chegar a 85%. O vice primeiro-ministro da Bielo-Rússia, Vladimir Semashko anunciou que planeja pagar as dívidas à Rússia em duas semanas, de acordo com a agência de notícias Interfax.

A medida marca a volta de frequentes tensões entre Moscou e Minsk - tradicionais aliados - sobre disputas comerciais na área de energia. A Bielo-Rússia, cuja frágil economia é fortemente dependente das relações comerciais com a Rússia, é a única das ex-repúblicas soviéticas que ainda paga preços reduzidos pelo gás russo.

Os dois Estados têm buscado formar um bloco alfandegário com o Casaquistão, mas o presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, não compareceu a um encontro chave no mês passado, forçando a Rússia e o Casaquistão a lançar a união alfandegária sem a Bielo-Rússia.

Disputas

A União Europeia acompanha de perto as disputas entre a Rússia e seus vizinhos ex-soviéticos, depois que um conflito entre Moscou e Kiev levou o fornecimento de gás da Rússia para a Europa - que passa pela Ucrânia - a ser cortado por mais de duas semanas, no começo de 2009. A UE depende da Rússia para atender cerca de 25% de sua demanda por gás natural, apesar da maior parte deste volume passar por gasodutos fora da Bielo-Rússia. A Gazprom afirmou que planejava enviar 44,5 bilhões de metros cúbicos de gás à Europa por meio da Bielo-Rússia neste ano, cerca de 28% dos 160 bilhões de metros cúbicos de gás que exporta para o continente a cada ano.

"Uma suspensão prolongada da transmissão de gás pela Bielo-Rússia poderia causar alguns problemas de fornecimento à Europa, mas não estamos antecipando qualquer interrupção maior nos meses de verão", afirma Alexander Burgansky, analista da Renaissance Capital, apontando a demanda europeia reduzida e a disponibilidade de reservas de capacidade de fornecimento por meio da Ucrânia.

A estatal Gazprom declara que a Bielo-Rússia tem US$ 192 milhões em dívida vencida com a companhia. Entretanto, a companhia diz que ela própria deve uma quantia "comparável" à Bielo-Rússia pela transmissão do gás, mas que o governo bielo-russo bloqueou os pagamentos pela empresa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaBielo-Rússiagás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.