Rússia reforça presença militar nas Ilhas Curilas

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, ordenou hoje o envio de equipamentos militares e armamentos adicionais às Ilhas Curilas, que são reivindicadas pelo Japão, ao dizer que a Rússia precisa expandir sua presença em uma parte "inseparável" do seu território. O Japão reivindica a posse de 4 das 56 ilhas que formam o arquipélago das Curilas, que se estende da ilha nortista japonesa de Hokkaido à Península de Kamchatka, na Sibéria. A Rússia passou a ocupar as 4 ilhas mais meridionais após vencer a guerra em 1945.

AE, Agência Estado

09 de fevereiro de 2011 | 12h58

"Os armamentos adicionais que serão enviados são modernos e suficientes para garantir a segurança destas ilhas, que são uma parte inseparável da Federação Russa", disse Medvedev, citado por agências de notícias da Rússia. "Nós faremos qualquer esforço necessário para fortalecer nossa presença nas Ilhas Curilas. Esta é uma região estratégica nossa", afirmou o mandatário russo, em reunião com os ministros da Defesa e do Desenvolvimento Regional da Rússia.

Os comentários de Medvedev representam um aumento de tom considerável na disputa com o Japão pela posse das Curilas. No começo desta semana, o primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, chamou a recente visita de Medvedev às ilhas como um "ultraje imperdoável".

O ministro da Defesa da Rússia inspecionou na sexta-feira passada as estruturas militares nas ilhas, causando novos protestos da parte do governo de Tóquio. O governo japonês designou o dia 7 de fevereiro como o Dia dos Territórios do Norte, sob o pretexto de que nesta data, em 1855, já se firmara um tratado reivindicando a posse das 4 ilhas ao Japão.

Os japoneses também fizeram uma passeata e uma pequena demonstração na ilha mais setentrional do país, Hokkaido, da qual a mais próxima das quatro pequenas ilhas reivindicadas, Kunashir (Kunashiri, em japonês), dista apenas dez quilômetros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaIlhas Curilasreforço militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.