Alexander Zemlianichenko/AP Photo
Alexander Zemlianichenko/AP Photo

Rússia registra 27.747 infecções e 593 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

País é a quarta nação do mundo em contágio por covid-19, atrás dos Estados Unidos, Índia e Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2020 | 08h35

MOSCOU - A Rússia registrou 27.747 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas e 593 óbitos, de acordo com informações das autoridades sanitárias do país divulgadas nesta quinta-feira, 31. 

Do total de positivos, 15% não apresentaram sintomas (4.164) e, além disso, 28.922 pacientes receberam alta no último dia. 

Moscou continua a ser o epicentro da pandemia na Rússia com 6.566 infecções, seguida pela segunda cidade do país, São Petersburgo, com 3.758

De acordo com o relatório diário, a Rússia soma 57.019 mortes desde o início da pandemia, mas a vice-primeira-ministra, Tatiana Golíkova, admitiu ontem 27,4% mais mortes, elevando o número real para mais de 70 mil. Golíkova fez essa precisão após esta semana que a agência estatal de estatísticas, Rosstat, relatou um aumento dramático na mortalidade nos primeiros onze meses do ano de 13,9%, o que levantou suspeitas sobre a contagem oficial de mortes durante a pandemia.

Apesar desses números, as autoridades russas optaram por não confinar a população, embora o prefeito de Moscou tenha estendido as férias escolares por uma semana, argumentando que a capital ainda está "no auge da pandemia". 

As autoridades federais estão confiantes de que a vacinação com a Sputnik V, iniciada em 15 de dezembro, reverterá a tendência e estabilizará a situação epidêmica do país nos primeiros meses de 2021. 

No entanto, o governo encontra dificuldades, tanto em termos de logística, já que a produção da vacina está mais lenta do que o esperado, bem como a desconfiança dos russos, já que, segundo as pesquisas, mais da metade não quer se vacinar neste momento. 

A Rússia é o quarto país do mundo em contágio por covid-19, atrás dos Estados Unidos, Índia e Brasil, com 3.159.297 positivos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.