Vasily MAXIMOV / AFP
Vasily MAXIMOV / AFP

Rússia tem mais de 10 mil novos casos de coronavírus em 24 horas, mas com baixa taxa de letalidade

País registra 10.633 contaminados com a covid-19 em um dia e 58 mortes; medidas de isolamento social ficarão em vigor até o dia 11 de maio

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2020 | 10h40

MOSCOU - A Rússia registrou neste domingo, 3, o maior aumento diário nos casos confirmados de coronavírus, mas a taxa de mortalidade desacelerou e permanece muito mais baixa, em termos relativos, que em muitos outros países. Com 10.633 novos casos da covid-19, o total de doentes é de 134.687, com mais da metade dos casos e mortes em Moscou.

A contagem de mortos da Rússia subiu para 1.280 neste domingo, após 58 pessoas terem morrido nas últimas 24 horas, informou o centro de resposta à crise do coronavírus na Rússia em seu site. Com isso, a taxa de letalidade do novo coronavírus no país é de 0,9%.

O governo russo disse que sua taxa de mortalidade baixa se deve ao fato de que o surto ocorreu no país depois de ter atingindo a maioria dos outros países, dando às autoridades mais tempo para se preparar. Mas, com o novo recorde de infecções diárias a Rússia se torna o país na nação europeia onde a o vírus avança com maior velocidade.

Em número de casos confirmados, a Rússia está agora na oitava posição, atrás de Estados Unidos, Espanha, Itália, Reino Unido, França, Alemanha e Turquia. 

Na sexta-feira, o ministro da Saúde havia informado que o número de crianças infectadas aumentou. Duas morreram de coronavírus no país, e outras 11 estavam em estado grave.

A Rússia está em isolamento social parcial desde o fim de março para restringir a disseminação do vírus. Os cidadãos de Moscou - principal foco da epidemia - podem sair de casa para ir ao mercado ou farmácia mais próximos, passear com o cachorro ou jogar o lixo fora, mas precisam de passes especiais para outras atividades.

O prefeito de Moscou, Serguei Sobianin, informou que cerca de 2% dos moradores da capital, ou 250 mil pessoas, estão infectados, com base em resultados de testes. As cifras oficiais mostram que Moscou registra 62.658 casos de covid-19. Sobianin explicou que Moscou aumentou sua capacidade de realizar testes de diagnóstico e conseguiu "conter a propagação da infecção" também devido às normas de distanciamento social decretadas pelo governo. 

Autoridades municipais da cidade pediram aos moradores que não saiam de casa e começaram a montar hospitais de campanha na capital russa, incluindo um no parque VDNKh, muito apreciado por turistas e moscovitas, no norte da cidade.

Agora, o país se prepara para o levantamento gradual das medidas de confinamento partir do dia 12, anunciou semana passada o presidente Vladimir Putin, que reconheceu que a situação continua sendo "difícil". Moscou poderá não se beneficiar da medida. 

Equipamentos médicos

Outra preocupação do governo russo é a falta de equipamentos de segurança para os médicos que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus. O presidente Putin admitiu na semana passada que "não há kits de proteção para todos".

Putin ressaltou que o pico da doença no país ainda não chegou e pediu que a população continue em alerta. O isolamento no país foi estendido até o dia 11 de maio. 

"Comparado ao que era antes, estamos produzindo muito (material de proteção hospitalar). Mas comparado ao que vamos precisar, ainda não é o suficiente", afirmou o presidente. O país produz atualmente 100 mil trajes de proteção para os médicos por dia. Em março, segundo Putin, eram produzidos cerca de 3 mil por dia. / AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.