Rússia rejeita sanções contra o Irã

Nesta sexta-feira a Rússia rejeitou qualquer conversa, por enquanto, sobre sanções contra o Irã e a França alertou sobre conflito com Teerã, aumentando a dúvida se o país irá enfrentar penalidades imediatas por não interromper o seu programa nuclear, segundo a agência de notícias Reuters. O prazo para a interrupção das atividades de enriquecimento de urânio, dado pelo Conselho de Segurança, é dia 31 de agosto.Em resposta a oferta de incentivos econômicos em troca da interrupção do enriquecimento de urânio, o Irã indicou que pode parar com o seu programa nuclear de acordo com o rumo das conversas, não como uma precondição, assim como o Conselho queria. A resposta russa parece ter a função de romper com a união dos quatro países ocidentais, Rússia e China perante o prazo dado pelo Conselho de Segurança. O ocidente vê a pesquisa nuclear iraniana como ameaça iminente para a paz. Já a Rússia e a China não partilham tal opinião."Não conheço instâncias na prática mundial e em experiências anteriores onde sanções atingiram seus objetivos e se provaram eficientes", afirmou o ministro da defesa russo, Sergei Ivanov, durante viagem ao extremo leste da Rússia."Além do mais, acredito que a questão não é tão séria neste momento para o Conselho de Segurança ou para o grupo de seis países, para se considerar qualquer introdução de sanções.A Rússia defende mais esforços políticos e diplomáticos a fim de resolver o assunto."Ivanov é considerado próximo ao presidente Vladimir Putin.O Conselho de Segurança aprovou uma resolução em 31 de julho que manda o Irã suspender o enriquecimento de urânio em 30 dias, ou irá enfrentar sanções. Teerã diz que o enriquecimento de urânio promovido no país tem como única finalidade produzir energia elétrica. O ocidente suspeita que o programa nuclear seja uma frente para a criação de bombas atômicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.